Explosão de casos de Covid no Rio adia discussão sobre apresentações de blocos no Parque Olímpico e em Madureira

·1 min de leitura

RIO — Diante da explosão de novos casos da Covid-19 na cidade provocados principalmente pela variante Ômicron, representantes de ligas carnavalescas cancelaram a reunião virtual que teriam nesta quinta-feira para discutir alternativas ao carnaval de rua, que não será realizado nos moldes tradicionais pelo segundo ano consecutivo, devido à pandemia. Com isso, o novo encontro com o prefeito Eduardo Paes para discutir propostas de eventos dos blocos mas com público mais reduzido, exigência de passaporte da vacina e testagem prévia, previsto para esta sexta-feira também foi adiado, sem data para acontecer. Nesta quinta-feira, depois de quatro meses, o Rio voltou a registrar mais de dois mil casos de Covid-19 em um único dia.

A ideia em discussão entre prefeitura, a Ambev (patrocinadora do carnaval de rua) e os organizadores era promover eventos no Parque Madureira e no Parque Olimpico da Barra com no máximo 50 mil pessoas. Mas haveria algumas restrições, como a proibição de menores de idade nos eventos

— Vamos nos falar de novo no início da próxima semana. Precisamos de um tempinho para observar a evolução do cenário da pandemia. Essa decisão foi tomada em razão das últimas notícias sobre a Covid e o relato de parentes e amigos sobre a doença — disse a presidente da Liga Sebastiana (Associação Independente dos Blocos de Carnaval de Rua da Zona sul, Santa Teresa e Centro), Rita Fernandes.

Por conta do cenário, o prefeito Eduardo Paes prefere nem estimar quando o tema voltará a ser debatido.

— Não vai ter notícia nova tão cedo — disse o prefeito.

Por enquanto, os desfiles na Marquês de Ssapucaí estão mantidos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos