Explosão deixa 6 mortos em Istambul; Erdogan diz que "cheira a terrorismo"

Por David Gauthier-Villars e Azra Ceylan

ISTAMBUL (Reuters) - Seis pessoas morreram e outras 53 ficaram feridas quando uma explosão atingiu uma movimentada rua de pedestres no centro de Istambul no domingo, em um incidente que o presidente Tayyip Erdogan chamou de ataque que "cheira a terrorismo".

Ambulâncias correram para o local na lotada Avenida Istiklal, que foi rapidamente isolada pela polícia. A área, no distrito de Beyoglu, na maior cidade da Turquia, estava lotada como sempre no fim de semana com compradores, turistas e famílias.

Um vídeo obtido pela Reuters mostrou o momento da explosão no centro da avenida, lançando destroços para o ar e deixando várias pessoas caídas no chão.

"Os esforços para derrotar a Turquia e o povo turco por meio do terrorismo falharão hoje como falharam ontem e como falharão novamente amanhã", disse Erdogan em entrevista coletiva.

"Nosso povo pode ter certeza de que os culpados do ataque serão punidos como merecem", disse ele, acrescentando que as primeiras informações indicam que "uma mulher participou" do mesmo.

"Seria errado dizer que este é sem dúvida um ataque terrorista, mas os primeiros fatos e as informações iniciais do meu governador é que cheira a terrorismo", disse ele.

Ninguém ainda reivindicou a responsabilidade pela explosão, mas Istambul e outras cidades turcas já foram alvo de separatistas curdos, militantes islâmicos e outros grupos.

"Quando ouvi a explosão, fiquei petrificado, as pessoas congelaram, olhando umas para as outras. Então as pessoas começaram a fugir. O que mais pode ser feito?", disse Mehmet Akus, 45, funcionário de um restaurante em Istiklal.

"Meus parentes me ligaram, eles sabem que trabalho em Istiklal. Eu os tranquilizei", disse ele à Reuters.

Um helicóptero sobrevoou o local da explosão e várias ambulâncias estavam estacionadas nas proximidades da Praça Taksim.

A delegacia de Kasimpasa disse que todas as equipes estiveram no local, mas não deu mais detalhes.

A mídia local disse que o gabinete do procurador-geral de Istambul iniciou uma investigação sobre a explosão.

Se confirmada, seria a primeira grande explosão de bomba em Istambul em vários anos.

Em dezembro de 2016, dois atentados a bomba fora de um estádio de futebol de Istambul mataram 38 e feriram 155 em um ataque reivindicado por um ramo do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).