Explosão dentro de empresa de oxigênio em Fortaleza deixa feridos

WALESKA BORGES
·2 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Uma explosão atingiu a unidade da empresa White Martins no bairro Carlito Pamplona, em Fortaleza, na manhã deste sábado (24). Segundo o Corpo de Bombeiros, cinco pessoas ficaram feridas --duas tiveram ferimentos leves e três foram levadas para um hospital na capital. Os pacientes, de 19, 43 e 45 anos, seguem estáveis. A White Martins é uma das maiores fornecedoras de oxigênio hospitalar do Brasil e confirmou a ocorrência "de um incidente" em sua unidade de Fortaleza. Em nota, a fornecedora de oxigênio informou que equipes da empresa estavam se deslocando para o local. Segundo a empresa, não houve prejuízo à capacidade de produção de oxigênio. Ela é responsável por parte do abastecimento de oxigênio dos hospitais do Ceará. O governador do estado, Camilo Santana (PT), lamentou o ocorrido em publicação nas redes sociais. "Nossa equipe da Secretaria da Saúde também acompanha a questão do fornecimento de oxigênio, para evitar problemas de desabastecimento nos equipamentos de saúde. Estou acompanhando os fatos e torcendo pela rápida recuperação das vítimas", publicou. O prefeito de Fortaleza, Sarto Nogueira (PDT), também por meio de rede social, disse que esteve no local. De acordo com ele, o Corpo de Bombeiros já fez o isolamento da área e orienta a população a ficar em suas casas. Bombeiros e a Defesa Civil inspecionam os imóveis da região. "Já estamos em contato com a White Martins para avaliar as medidas que serão necessárias para garantir o fornecimento de oxigênio aos nossos pacientes.", escreveu o prefeito. De acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará, foi descartada a possibilidade de incêndio na ocorrência. A Polícia Militar do Ceará isolou o perímetro de segurança na região. Em novo comunicado, a White Martins afirmou que dá apoio aos três feridos, que passavam por exames no hospital, além de colaborar com as autoridades. "As instalações afetadas não produzem oxigênio e são destinadas apenas ao enchimento de cilindros. A produção de oxigênio líquido no estado não foi comprometida e a empresa está buscando alternativas para o enchimento dos cilindros", diz a nota da empresa.