'Explosivo': Maior incêndio do ano na Califórnia força retirada de milhares de pessoas; EUA enfrentam onda de calor

O estado da Califórnia, nos EUA, enfrenta o maior incêndio florestal do ano, com milhares de hectares queimados desde o início do sábado na região do Parque Nacional de Yosemite. Mais de seis mil pessoas já foram retiradas da área, de acordo com o Departamento de Florestas e Proteção contra Incêndios, enquanto milhões de americanos experimentam uma onda de calor que já atingiu temperaturas recordes no país.

Retrocesso ambiental: Onda de calor e conflito na Ucrânia acirram dilema da Europa sobre emissões de CO2

Vulnerabilidade: Impactos da crise climática acentuam desafios geopolíticos no Sudeste Asiático

O fogo, descrito pelas autoridades como "explosivo", cresceu de cerca de 250 hectares para quase 4.800 hectares em 24 horas. Iniciado no condado de Mariposa, já destruiu 10 propriedades e danificou outras cinco, de acordo com um boletim de sábado das autoridades. O Parque Nacional de Yosemite, que fica a nordeste de onde o incêndio se alastra, abriga algumas das maiores e mais antigas sequoias do mundo.

O incêndio deixou cinzas, veículos danificados e restos de propriedade retorcidos em seu rastro, enquanto o pessoal de emergência trabalha para remover os moradores e proteger estruturas e casas. Mais de 500 bombeiros trabalham para apagar as chamas e estão sendo auxiliados por um avião.

Análise: Por que a Europa está sofrendo tanto com ondas de calor?

Crise climática: Europa cozinha em calor devastador enquanto queima mais carvão

O governador da Califórnia, Gavin Newsom, declarou "estado de emergência" no condado de Mariposa no sábado, citando "condições extremamente perigosas para a segurança de pessoas e propriedades".

De acordo com o climatologista da Universidade da Califórnia, Daniel Swain, o fogo “se espalhou em quase todas as direções”, “em um contexto de alta carga de combustível e seca extrema”.

Testemunhas postaram imagens nas redes sociais de um enorme e impressionante turbilhão de fumaça espessa subindo da floresta, como um tornado, um fenômeno perigoso que pode alimentar o fogo.

Onda de calor: Temperatura no Reino Unido passa de 40 graus pela primeira vez na História

O Oeste do país já experimentou incêndios florestais de magnitude e intensidade excepcionais nos últimos anos, tendência que os cientistas atribuem ao aquecimento global.

Evidências disso podem ser vistas em outras partes do país, já que mais de uma dúzia de estados estavam sob alertas de ondas de calor. Regiões no centro e nordeste dos Estados Unidos são as mais atingidas por temperaturas extremas que devem subir ainda mais neste domingo.

No sábado, o Serviço Nacional de Meteorologia (NWS) anunciou que "o calor extremo continuará no centro dos Estados Unidos e se espalhará pelo nordeste neste fim de semana, com inúmeros recordes esperados". Temperaturas mais altas aumentarão a ameaça de "eventos climáticos violentos", como granizo, ventos e tornados no centro-oeste superior, acrescentou a nota.

Onda de calor nos EUA

O calor sufocante foi sentido particularmente na capital do país, Washington DC, onde as temperaturas estavam se aproximando dos 38°C. Nova York não foi poupada, com temperaturas próximas de 35°C. A temperatura também pode chegar a 43°C em partes de Utah (Oeste), Arizona (Sul) e em cidades do nordeste, de acordo com o NWS.

Em Boston, cuja prefeita Michelle Wu declarou "estado de emergência de calor", com zonas de resfriamento municipais e piscinas abertas por mais tempo, o termômetro deve atingir 37°C neste domingo.

Anúncio de pacote ambiental: Biden afirma que mudanças climáticas são 'ameaça existencial'

Nesta semana, o presidente Joe Biden mais uma vez sublinhou o "perigo claro e imediato" representado pelas mudanças climáticas, "uma ameaça existencial à nação e ao mundo". Mas sua margem de manobra é limitada no Congresso e na Suprema Corte.

Em junho de 2021, uma onda de calor incomumente intensa causou estragos na Costa Oeste dos Estados Unidos e Canadá, matando mais de 500 pessoas e provocando enormes incêndios florestais, com temperaturas próximas de 50°C.

Incêndio na Grécia

A Grécia também luta neste domingo contra três grandes incêndios florestais no Norte, Sul e Leste do país, com temores de que a onda de calor cause novos incidentes.

O incêndio que eclodiu no sábado na Ilha de Lesbos, forçando a retirada de centenas de turistas e moradores da cidade turística de Vatera, ainda estava ativo, informou a televisão pública ERT, citando fontes oficiais. Pelo menos quatro casas foram destruídas.

No Norte do país, bombeiros, auxiliados por voluntários, lutam pelo quarto dia consecutivo contra um violento incêndio no Parque Nacional Dadia. No Peloponeso, a cidade de Chrisokelaria também foi esvaziada na noite de sábado devido a um incêndio perto de Koroni, que os bombeiros ainda combatem neste domingo.

Na quarta-feira, um incêndio florestal nas montanhas perto de Atenas danificou casas e forçou várias centenas de pessoas a deixarem suas residências, a poucos quilômetros da cidade costeira de Mati, palco do pior incêndio florestal da Grécia em 2018, no qual 102 pessoas morreram.

Altas temperaturas na Europa

Desde sábado, a Grécia sofre uma onda de calor que, segundo as previsões, durará 10 dias com temperaturas de até 42°C em algumas áreas.

Na Espanha, são esperadas temperaturas extremas neste domingo no Sul do país, onde podem chegar a 45ºC. As temperaturas mais altas são esperadas na região de Córdoba, na Andaluzia, com 45ºC. Foi nesta parte do país que se registou o recorde para Espanha em agosto de 2021: 47,4ºC em Montoro.

Desde o início de 2022, mais de 200 mil hectares queimaram na Espanha, segundo o Sistema Europeu de Informação sobre Incêndios Florestais (EFFIS, em inglês), o que o torna o país mais afetado do continente.

Segundo os cientistas, a proliferação desses eventos climáticos extremos é consequência direta do aquecimento global, com as emissões de gases de efeito estufa aumentando em intensidade, duração e frequência.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos