Exposição traz peças descartadas de desfiles de escolas de samba transformadas em arte

Na natureza, nada se perde, tudo se transforma. A exposição “Carnaval se aproveita”, que fica em cartaz até o próximo dia 30 no Galpão das Artes da Comlurb, na Gávea, é uma homenagem ao Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado no último domingo. E traz pedaços de fantasias descartados nos desfiles das escolas de samba do grupo especial deste ano ressignificados pela artesã Lina de Melo e pelas alunas de oficinas gratuitas ministradas por ela no local.

Reflorestamento: Como é a rotina nos viveiros de mudas da Mata Atlântica

Cidade pioneira no país: Coleta seletiva não chega a 2% em Niterói

— Uma saia de baiana foi transformada num abajur, uma fantasia que tinha franja virou escova de limpeza para cantos da casa. E temos ainda mandalas, vasos decorativos — exemplifica Ana Cristina Damasceno, relações-públicas e gestora do Galpão das Artes, que completa duas décadas este ano.

Segundo ela, o objetivo da iniciativa é “sensibilizar de forma lúdica e atraente quanto à importância da redução do lixo na cidade do Rio e do reaproveitamento”:

— O próprio Galpão traduz isso. Ficamos debaixo de um viaduto (Lagoa-Barra), uma área abandonada e degradada que foi ocupada por artistas e artesãos que utilizam resíduos urbanos como matéria-prima para fazer suas peças e obras de arte.

A exposição “Carnaval se aproveita” pode ser vista de segunda a sexta-feira, das 9h às 16h, com entrada gratuita.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos