China alcança antes de 2020 objetivo de reduzir emissões de carbono

Pequim, 27 mar (EFE).- A China já alcançou seu objetivo de reduzir as emissões de carbono previsto para 2020, anunciaram nesta terça-feira as autoridades do país, que atribuíram o sucesso em grante parte ao pineiro sistema de comércio de emissões iniciado em 2011.

O representante especial da China para mudança climática, Xie Zenhua, citado pela agência estatal "Xinhua", afirmou que no final de 2017 o país asiático tinha reduzido em 46% as emissões de carbono por unidade do PIB com relação a 2005, alcançando antes do previsto o objetivo fixado de entre 40% e 45% para 2020.

Xie apontou que isto foi possível graças ao sistema de comércio de emissões de carbono iniciado em 2011 pelas autoridades em sete cidades e províncias, como Pequim e Xangai.

Sob o esquema implementado, as empresas que produzem mais de sua quota permitida de emissões poderão comprar novas quotas não utilizadas no mercado daquelas firmas que poluem menos.

Segundo assegurou, no final de 2017 tinham sido completadas transações por um total de 200 milhões de toneladas de quotas de emissões de carbono através desta plataforma, com um faturamento total de 4,7 bilhões de iuanes (US$ 748 bilhões).

Xie destacou o sucesso de uma das saídas que a China propôs para tentar controlar seus índices de poluição, além de reduzir o consumo de combustíveis fósseis e aumentar o das energias limpas.

A China, de acordo com o Acordo de Paris, tem que reduzir as emissões de carbono por unidade do PIB entre 60% e 65% até 2030, com relação aos seus níveis de 2005.

No final do ano passado, o Governo chinês apresentou o plano para estender esse mecanismo de comércio de emissões a todo o país. EFE