Exposições de grandes fotógrafos brasileiros para visitar no Rio

Três grandes nomes da fotografia brasileira estão em cartaz com exposições, no Museu do Amanhã, CCBB e IMS. Sebastião Salgado e Walter Firmino trazem imagens de diferentes realidades brasileiras. Já Miguel Rio Branco expõe fotos de trabalhos recentes e acervos inéditos antigos.

As principais exposições em cartaz no Rio; confira a lista

As peças em cartaz neste fim de semana, no Rio de Janeiro; confira a lista

Sebastião Salgado, no Museu do Amanhã

A exposição reúne 194 imagens que são fruto dos sete anos de expedições de Sebastião Salgado à Amazônia. O trabalho revela a floresta, rios e montanhas, assim como a vida em várias comunidades indígenas. Uma viagem ao coração da Amazônia,as imagens também estimulam uma reflexão sobre o futuro e a preservação desse ecossistema tão importante para o planeta.

Museu do Amanhã, Praça Mauá. Ter a dom, das 10h às 18h (última entrada às 17h). R$ 30. Até 19 de julho.

Walter Firmo, no CCBB

Com 266 imagens, a exposição “Walter Firmo: no verbo do silêncio a síntese do grito” traz imagens produzidas pelo artista carioca nos mais de 70 anos de carreira, iniciada em 1950. As fotos retratam a população e a cultura negra de diversas regiões do país, revelando ritos, festas populares e religiosas, além de cotidianos. Firmo é responsável por registros icônicos de grandes nomes da música popular brasileira, como Cartola, Clementina de Jesus e Paulinho da Viola.

Centro Cultural Banco do Brasil. Seg, qua a sáb, das 9h às 21h. Dom, das 9h às 20h. Grátis. Até 27 de março.

Miguel Rio Branco, no IMS

Um dos nomes mais respeitados da fotografia brasileira contemporânea — numa produção multidisciplinar que também inclui pinturas, esculturas, instalações e filmes — , Miguel Rio Branco, de 76 anos, tem 200 imagens reunidas na mostra “Palavras cruzadas, sonhadas, rasgadas, roubadas, usadas, sangradas”, no Instituto Moreira Salles. Para a exposição, o artista disponibilizou desde imagens raras em preto em branco, capturadas na Nova York dos anos 1970, quando iniciava suas experimentações artísticas, até trabalhos recentes.

Instituto Moreira Salles. Rua Marquês de São Vicente: Gávea. Ter a sex, das 12h às 18h. Sáb, dom e feriados, das 10h às 18h. Grátis. Até 26 de março.

Sebastião Salgado: 'Queria ajudar as pessoas a sentir a nobreza da floresta e das comunidades indígenas'

Exposições: confira o que está em cartaz no Rio