Extensão da fase emergencial em SP opõe cientistas e assessores

Redação Notícias
·3 minuto de leitura
  • Especialistas consideram que é necessário manter a fase emergencial para intensificar o combate à Covid-19

  • Assessores do governo, porém, se mostram preocupados com uma possível revolta de comerciantes

  • João Doria (PSDB) realizará duas reuniões antes de anunciar sua decisão em coletiva nesta sexta-feira

O Governo de São Paulo vai discutir ainda nesta quinta-feira os próximos passos do plano de combate à pandemia no estado. O centro de contingência da Covid-19 já recomendou a manutenção da fase emergencial, mas algumas questões preocupam João Doria (PSDB) e sua cúpula.

Leia também

De acordo com o Estadão, assessores do governador já se mostraram preocupados com a reação do comércio à extensão do fechamento. Isso porque os estabelecimentos estão impedidos de abrir desde o dia 6 de março, quando entrou em vigor a fase vermelha. Um novo decreto de 15 dias prolongaria a medida até as vésperas do Dia das Mães (9 de maio), data importantíssima para os comerciantes.

Doria anunciará próximos passos no combate à Covid-19 nesta sexta (AP Photo/Andre Penner)
Doria anunciará próximos passos no combate à Covid-19 nesta sexta (AP Photo/Andre Penner)

Entre os cientistas e especialistas no combate ao vírus, porém, a recomendação pela manutenção da fase emergencial é certa. Isso porque São Paulo vive o pior momento da pandemia, com recordes de mortos e lutando contra um colapso na saúde.

Os 20 especialistas do centro de contingência consideram que houve melhoras em alguns números, como a ocupação de leitos de UTI, que baixou de 90% pela primeira vez em três semanas e chegou a 89%, mas avaliam que não foi suficiente para um afrouxamento das medidas.

Eles também se preocupam com a mensagem que o fim da fase emergencial pode passar à população. Por mais que não haja muitas mudanças em relação à fase vermelha, acreditam que a alteração pode causar um relaxamento na população.

Duas reuniões devem decidir como serão as próximas semanas em São Paulo: uma ainda na noite desta quinta e outra na manhã de sexta, momentos antes da entrevista coletiva de Doria que revelará o futuro do estado.

O que pode e o que não pode na fase emergencial

  • Cultos religiosos suspensos

  • Restaurantes não podem mais oferecer retirada de comida

  • Drive-thrus e serviços de delivery de restaurantes e outros estabelecimentos comerciais poderão funcionar 24 horas por dia

Na fase emergencial, não podem acontecer atividades esportivas, lojas de material de construção ficam fechadas, assim como os serviços de retirada de todos os setores.

Os cultos religiosos também estão suspensos, mas as igrejas continuam abertas para aqueles que quiserem rezar de forma individual.

Comérco permanecerá fechado se Doria ouvir os especialistas (AP Photo/Andre Penner)
Comérco permanecerá fechado se Doria ouvir os especialistas (AP Photo/Andre Penner)

Drive-thrus e serviços de delivery de restaurantes e outros estabelecimentos comerciais podem funcionar 24 horas por dia.

Há ainda um toque de recolher entre 20h e 5h. Não será permitido circular durante o período, a não ser que seja estritamente necessário.

Aglomerações estão proibidas e as máscaras são obrigatórias em ambientes internos e externos. Durante o período, paulistanos não poderão frequentar praias e parques