Fábrica da Foxconn na China está perto de produção total após restrições anti-Covid

Por Yimou Lee

TAIPÉ (Reuters) - A fábrica de iPhones da Foxconn atingida por medidas de isolamento social contra Covid-19 na cidade chinesa de Zhengzhou está quase de volta à produção total, com as remessas de dezembro atingindo cerca de 90% do previsto, disseram duas fontes com conhecimento direto do assunto.

A Foxconn não quis comentar.

A produção na maior fábrica de iPhones do mundo foi fortemente afetada no final de 2022, diante de restrições tomadas para controlar um surto de Covid-19, além de protestos de trabalhadores sobre questões de pagamento.

A Foxconn oferece bônus para atrair novos funcionários e convencer os atuais a permanecerem trabalhando na unidade. Uma fonte da empresa disse à Reuters no mês passado que a companhia pretendia que a fábrica retomasse a produção total entre o fim de dezembro e o início de janeiro.

"A produção foi quase totalmente retomada", disse uma das fontes nesta terça-feira.

Uma segunda fonte disse que a produção estava quase de volta ao normal, mas que funcionários seguem cautelosos devido a um aumento de casos de Covid-19 em toda a China.

"Esperamos um pico de casos antes ou depois do feriado do Ano Novo Lunar", disse a fontes, referindo-se ao intervalo de uma semana que começa em 21 de janeiro. "Não sabemos se isso causará algum problema."

No sábado, a emissora estatal da província de Henan, onde a fábrica está localizada, citou um executivo da fábrica dizendo que a força de trabalho estava estável em 200 mil funcionários e que a instalação também havia estabilizado sua cadeia de suprimentos. A fábrica é capaz de acomodar até 300 mil trabalhadores.