Fávaro quer gestão compartilhada da Conab com Desenvolvimento Agrário e volta dos estoques públicos

O novo ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, quer recuperar a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que no redesenho da Esplanada deixou a estrutura do Ministério da Agricultura e foi para o Desenvolvimento Agrário. Ele quer fazer uma gestão compartilhada da estatal e quer definir o tema ainda nesta semana, após reunir-se com os ministros Rui Costa (Casa Civil), Alexandre Padilha (Relações Institucionais) e Paulo Teixeira (Desenvolvimento Agrário). Com a reestruturação, a Agricultura ficou com a Embrapa e o Desenvolvimento Agrário com a Conab e o Incra.

José Dirceu justifica ausência na posse de Lula: 'Não tenho mandato e não sou da direção do PT mais'

Veja também: Diante de ex-auxiliar de Bolsonaro, Múcio assume Defesa e diz ter convicção de que terá convivência harmoniosa com Forças Armadas

― O Incra tem que fazer parte do Ministério do Desenvolvimento Agrário porque a grande função do Incra é titular pequenos e médios produtores. Nada mais justo que estar lá. Com relação à Conab, ainda temos uma discussão estruturante, porque não faz sentido não ter a Conab no Mapa porque perde o sentido a secretaria de política agrícola. Vamos trabalhar transversalmente: a Conab pode e deve ter um papel ainda maior do que teve ― declarou o novo ministro.

Essa discussão sobre a reestruturação da Conab também passa pela renovação da política de estoques públicos. Atualmente, muitos estoques estão zerados, de forma que o governo não consegue influenciar no preço de alimentos em casos de altas inesperadas.

Entenda: Por que a faixa presidencial exibida na posse de Lula é diferente da usada por Bolsonaro

Leia: Dilma disse que ficou 'comovida' ao voltar ao Palácio do Planalto na posse de Lula

― Estamos discutindo isso, em fazer uma gestão compartilhada Mapa e MDA para juntos criarmos uma grande Conab. A Conab não precisa só fazer relatório de expectativa de produção, estoques. Precisamos ter um pouco de estoque público, se não, não fazemos combate à fome ― disse.

Ele disse ainda que os armazéns para estocagem não precisarão ser, necessariamente, da Conab. O importante será ter uma estratégia desenhada. Fávaro quer resolver isto nesta semana.

Questionado sobre a prorrogação da desoneração dos tributos federais sobre combustíveis e o impacto disso na carreira do etanol, Fávaro disse que a medida que baixou o custo da gasolina e diesel foi “eleitoreira”, mas a população não pode ser penaliza com um aumento nesses preços:

― A cadeia do etanol está completamente comprometida, porque ela se igualou tributariamente a combustíveis fósseis. Por isso essa medida provisória está dando um prazo maior para a gente pensar.

Gargalo na imagem

Fávaro voltou a ressaltar que um grande desafio de sua gestão será a recuperação da imagem do Brasil junto à comunidade internacional.

― A imagem da agropecuária brasileira está destruída mundialmente. Nos tornamos párias em relação a política de destruição do meio ambiente e isso traz dificuldade para nós ― ponderou.

Ele reiterou que trabalhará em conjunto com outros ministérios, como o Meio Ambiente de Marina Silva, para focar em políticas de combate ao crime ambiental e oferta de alternativa para crescimento de áreas plantadas. Uma alternativa é a recuperação de 40 milhões de hectares degradados por pastagens, mas que podem ser recuperados para se tornarem área cultivável.

Nesse sentido, ele vai trabalhar para a recomposição do orçamento da pasta, injeção de mais recursos na Embrapa, estatal de pesquisa, e busca por novas linhas de financiamento rural.

Entre essas novas linhas está uma voltada para a recuperação de áreas de pastagem, que exigem longo prazo e juros baixo, para financiar a compra de calcário, fostato e cloreto de potássio para a recomposição do solo.

Ele não quis detalhar mais a medida dizendo que “o governo começou hoje”. Em relação à composição de sua equipe, disse que já pensou em nomes, mas não bateu o martelo, e a definição sairá nesta semana.