Fãs de brasileira do 'Big Brother' Itália fizeram vaquinha para pagar velório do irmão da modelo

Extra
·2 minuto de leitura

Confinada no "Grande Fratello Vip", o "Big Brother" da Itália, a brasileira Dayane Mello ainda não tem noção de que foi abraçada pelos fãs em sua terra natal. E eles deram mais uma prova de amor recente: fizeram uma vaquinha para ajudar a pagar o velório do irmão da modelo, morto na última terça-feira, dia 2.

"Nós, fãs do Brasil, reunidos com fãs do mundo todo, queremos agradecer pelas doações, pelo amor e carinho com a família da Day neste momento tão difícil. O valor arrecadado foi este (valor que tínhamos do avião somado a doações), no qual está sendo repassado neste momento para o Juliano (outro irmão da modelo)", disse Stéfani Araújo, de 21 anos, ao mostrar o comprovante de R$ 10.919,52.

O avião a que Stéfani se refere é o meio que fãs têm para enviar mensagens aos confinados no reality show italiano. A vaquinha já estava sendo feita antes mesmo da tragédia com o irmão da catarinense.

Lucas Mello, morreu nesta terça-feira, dia 2, após um acidente de carro em Santa Catarina, na BR-470, em direção a Lontras. A imprensa local informou que Lucas teria invadido a pista contrária e batido de frente com um caminhão, no km 128. O irmão da confinada no "Grande Fratello VIP" estava sozinho no carro e morreu. O motorista de caminhão não teve ferimentos.

Velório virtual

Na casa, Dayane e os confinados prestaram uma homenagem a Lucas, soltando uma lanterna chinesa ao céu. A modelo brasileira conseguiu acompanhar um trecho do velório do irmão por meio de uma chamada de vídeo com a família.

A brasileira foi informada no confinamento da morte do familiar. Ela foi retirada do convívio com os participantes por alguns minutos e voltou extremamente abalada com a notícia.

"Eu não posso ir ao Brasil, teria que ficar em quarentena. Eu não poderia abraçar ninguém, ou vê-los direito", disse Dayane, chorando com os colegas de confinamento. "Meu irmão tinha 26 anos, faria 27 no dia 9 de março"

"Você pode chorar conosco", consolou Alda D'Eusanio.