Fãs de Laerte fazem apelo na internet por desenhos furtados

Lívia Brandão (livia.brandao@oglobo.com.br)

Fãs do cartunista Laerte se mobilizam na internet para espalhar a notícia do furto das obras do artista pelas redes sociais, na tentativa de recuperar o material roubado. Entre as obras roubadas, estão cerca de 20 mil tiras, charges e cartuns produzidos pelo cartunista desde 2000, quando ele começou a usar o computador para finalizar seus trabalhos.

Leia também:
Homem é preso por vender cartão do McDonald's em SP
Pezão é vítima de furto em sua residência na Zona Sul do Rio
Portões de alumínio são alvo de ladrões em prédio na Tijuca




“Devolvam a obra do Laerte! Ladrões invadiram a casa do artista e levaram 12 anos de trabalho em arquivo digital. Se você adquiriu ou receptou dois micros e um HD externo, por favor, verifique o conteúdo antes de formatar. A obra do cartunista Laerte não tem preço pra você, mas pra nós tem um enorme valor. Que o universo conspire a favor dessa campanha”, diz a imagem, compartilhada por quase 2 mil pessoas no Facebook.

“Estou surpreso com a repercussão desse caso, vivemos em um país em que todo mundo é assaltado e as coisas ficam por isso mesmo. Sei que o que eu perdi não tem importância nenhuma para quem interceptar esses aparelhos por aí, mas tenho uma vaga esperança de que isso possa ser recuperado”, disse Laerte.

Apesar de grato pela mobilização de seus admiradores, Laerte aproveita o infortúnio para chamar atenção para problemas sociais.

“Gostei muito dessa campanha, mas gostaria que as pessoas se ligassem mais em fatos como o que aconteceu na Praça da Sé no dia 2, em que a polícia investiu contra os sem-teto que estavam fazendo uma manifestação. Isso também é um assalto, é um roubo, é uma expropriação e essa gente não tem quem os defenda. São pessoas sem identidade, sem representação, infelizmente”, ressaltou.

Autor de quadrinhos como “Piratas do Tietê” e “Overman”, Laerte Coutinho teve parte de seu acervo furtado durante um assalto à sua casa na última terça-feira (1), no bairro do Rio Pequeno, na Zona Oeste de São Paulo. Trabalhos realizados pelo cartunista desde 2000 foram levados em dois computadores e um HD externo. Apesar de não saber informar ao certo, Laerte suspeita que, além dos mais de 20 mil arquivos digitais que estavam armazenados nos aparelhos, originais também tenham sido levados pelos ladrões. Laerte estava viajando no momento em que sua casa foi invadida. Vizinhos do artista relataram terem percebido uma movimentação suspeita durante a madrugada.

“Cheguei em casa e notei que algo estranho tinha acontecido quando vi minhas gatas do lado de fora. Uma delas é paraplégica”, contou o cartunista, em entrevista ao GLOBO. “Os ladrões levaram meus dois computadores, o HD externo onde eu guardava minhas obras, dois violões, um aparelho de microondas que deve ter uns dez anos, um aparelho de DVD e, acredite, dois botijões de gás. Não tenho nada de muito valor em casa, nem aparelhos de última geração”, acrescentou.

Laerte confessa ainda não ter tido tempo de checar as obras físicas e originais que guarda em casa, mas, durante a conversa com o GLOBO, afirmou ter dado falta de algumas obras.

“Perdi arquivos digitais que não têm valor nenhum, mas que são de muita importância para mim. Só com muito esforço vou conseguir recuperar parte deles com as pessoas que receberam esse material para publicação. São os azares da vida, que isso sirva para aprender que é preciso ter um backup decente”, lamentou.