Fabricante de notebook inclui línguas indígenas em sistema Linux

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Lenovo incluiu as línguas indígenas Kaingang e Nheengatu em duas linhas de seus notebooks. A atualização vale apenas para os aparelhos com o sistema operacional Lux Linux.

Segundo a companhia, a iniciativa faz parte do programa de revitalização das línguas indígenas ameaçadas de extinção, lançado em 2021 pela Motorola —braço de mobilidade da Lenovo.

A Unicamp foi responsável por desenvolver o projeto em conjunto com a Lenovo, além de tradutores nativos das línguas faladas pelos povos da Amazônia.

As línguas foram escolhidas por serem idiomas com risco de extinção e por contarem com largo material de pesquisa e publicações de centros de linguística da Unicamp. Foram traduzidas cerca de 85 mil expressões e 500 mil palavras nas duas línguas.

O Kaingang é falado por mais de 30 mil pessoas entre os estados do Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e a região Oeste do estado de São Paulo. Já a Nheengatu, conhecida como tupi moderno, é falada por 14 mil pessoas entre a região Amazônica do Brasil, Colômbia e Venezuela.