Fabricantes da Sputnik V afirmam que negativa do Brasil ao pedido de importação tem 'natureza política'

O Globo, com agências internacionais
·2 minuto de leitura

RIO — Os fabricantes da vacina russa contra a Covid-19 Sputnik V criticaram, nesta terça-feira, a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que consideram "política", de não autorizar a importação do fármaco.

"Os atrasos da Anvisa na aprovação da Sputnik V são, infelizmente, de natureza política e não têm nada a ver com acesso à informação ou ciência", escreveu o perfil oficial da vacina russa no Twitter.

"O Departamento de Saúde dos Estados Unidos, em seu relatório anual de 2020 há vários meses, declarou publicamente que o adido de saúde dos Estados Unidos 'persuadiu o Brasil a rejeitar a vacina russa'. O povo brasileiro aguarda a decisão do Supremo Tribunal Federal", completa.

A Anvisa negou na segunda-feira um pedido de dez estados brasileiros para importar a vacina russa Sputnik V por considerar que faltam dados técnicos para verificar sua segurança e eficácia.

O diretor-presidente da agência, Antônio Barra, refutou as críticas à agência e acusações de insensibilidade em relação ao cenário da pandemia no país. Segundo ele, a Anvisa está cumprindo sua missão de zelar pela saúde da população.

A decisão foi tomada após o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski negar pedido de suspensão do prazo de análise feito pela agência. Em 13 de abril, o magistrado determinou que a Anvisa se manifestasse a respeito da vacina até o dia 28 de abril.

— Seguiremos adiante com nossos contatos. Se falta informação, será fornecida. Não deveria existir nenhuma dúvida a respeito — afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

A vacina Sputnik V está sendo aplicada em vários países além da Rússia, como Argentina, México e Venezuela. De acordo com o instituto russo Gamaleya, que desenvolveu a vacina, o fármaco foi autorizado em mais de 60 países.

Entretanto, o imunizante ainda não é permitido pelos principais órgãos de vigilância sanitária, como a Food and Drug Administration (FDA), nos Estados Unidos, e a Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

No Brasil, em uma tentativa de agilizar os planos de vacinação, uma dezena de estados do Norte e Nordeste assinaram contratos com o Fundo Soberano da Rússia (RDIF), que financiou o desenvolvimento da Sputnik V. O governo federal brasileiro também adquiriu 10 milhões de doses do imunizante.

OMS sem data para revisão

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou nesta terça-feira que ainda está discutindo sobre a vacina russa contra a Covid-19 e ainda não foi definida uma data para avaliar os dados clínicos do imunizante para sua possível listagem de uso emergencial.

— Sobre a Sputnik, ainda estamos esperando, ainda estamos no estágio de ida e volta. Portanto, não temos uma reunião de revisão marcada ainda — disse a porta-voz da OMS, Margaret Harris, em uma entrevista coletiva em Genebra.