Faca usada por Adélio em ataque contra Bolsonaro vai virar peça de museu

Redação Notícias
BEST QUALITY AVAILABLE - This photo released by the Military Police, shows the knife supposedly used by Adelio Bispo de Oliveira, suspected of stabbing Jair Bolsonaro, a leading Brazilian presidential candidate, in Juiz de Fora, Brazil, Thursday, Sept. 6, 2018. Police spokesman Flavio Santiago confirmed to The Associated Press that Bolsonaro had been stabbed and that his attacker was taken into custody. (Military Police via AP)
Faca usada por Adélio vai virar peça de museu. (Foto: Divulgação/Polícia Militar)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • A faca de 30cm usada por Adélio contra Jair Bolsonaro, em 2018, vai para o Museu Criminal da PF

  • A decisão é da Justiça, que considerou que o objeto possui um ‘relevante valor histórico’

A faca usada por Adélio Bispo de Oliveira no ataque contra Jair Bolsonaro, em setembro de 2018, vai virar peça de museu. A decisão foi do juiz Bruno Savino, da 3ª Vara da Justiça Federal em Juiz de Fora (MG), atende a pedido do MPF (Ministério Público Federal) e da Polícia Federal.

O magistrado considerou, na decisão, que o objeto possui um “relevante valor histórico” e que representa, além da violência sofrida por Bolsonaro, “sobretudo, simboliza, a partir de uma ótica mais ampla, a agressão cometida contra o próprio regime representativo e democrático de direito”. As informações são do jornal Folha de São Paulo.

Leia também

A lâmina de cerca de 30cm usada por Adélio está sob a guarda da Justiça Federal, uma vez que foi usada como prova no processo. A princípio, ao fim do inquérito, será levada para o Museu Criminal da Polícia Federal, com sede em Brasília.

O museu também receberá itens que foram usadas nas perícias e guardam amostras de DNA de Bolsonaro e de Adélio. A intenção de armazenar essas peças foi expressa ao juiz pela diretoria da Academia Nacional de Polícia.

O material será entregue ao delegado responsável pelo caso, Rodrigo Morais, que deverá fazer o encaminhamento ao museu.

Leia também

O CASO

Adélio Bispo de Oliveira, que está preso desde o crime no presídio federal de Campo Grande (MS), foi declarado inimputável (incapaz de responder por seus atos).

Por ter insanidade mental, ele recebeu da Justiça a chamada absolvição imprópria, usada para casos em que o réu é reconhecidamente culpado, mas não pode ser punido.