Facada ajudou Bolsonaro a ser eleito, diz Temer

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Michel Temer avaliou que atentado contra Jair Bolsonaro em 2018 deu ao então candidato mais tempo de exposição (Foto: Alexandre Schneider/Getty Images)
Michel Temer avaliou que atentado contra Jair Bolsonaro em 2018 deu ao então candidato mais tempo de exposição (Foto: Alexandre Schneider/Getty Images)

O ex-presidente Michel Temer (MDB) afirmou que acredita que a facada sofrida por Jair Bolsonaro (PL) em 2018, durante a campanha eleitoral, tenha ajudado o atual presidente a se eleger.

“A apunhalada que recebeu o atual presidente ajudou sua candidatura. Aquilo fez com que ele ocupasse espaço na imprensa, que talvez não ocupasse na campanha normal”, declarou Temer, em entrevista ao Uol.

“Ele tinha pouco tempo de televisão e de comunicação, e aquilo fez com que ele não saísse do noticiário durante vários meses.” Jair Bolsonaro sofreu um atentado durante um ato de campanha em Juiz de Fora, Minas Gerais, em setembro de 2018. Adélio Bispo desferiu uma facada contra o então candidato, que teve de ser internado e submetido a procedimentos cirúrgicos.

A fala de Michel Temer acontece um dia depois de o ex-presidente receber um grupo de 11 senadores do MDB que defende o apoio do partido a Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já no primeiro turno. Os emedebistas querem convencer Temer a desistir de apoiar Simone Tebet.

Ao Uol, Temer falou da dificuldade de levar a frente a ideia da “terceira via”. “Eu detectei ao longo do tempo que os candidatos abandonaram a ideia da terceira via. Nós temos muito tempo pela frente, são quase 70 dias para as eleições, é difícil saber o que vai acontecer.”

Ao mesmo tempo, o ex-presidente descartou apoiar Lula, mesmo em um eventual segundo turno. A justificativa são as críticas do petista contra a reforma trabalhista, aprovada no governo Temer.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos