Facada em Bolsonaro completará um ano e data pode virar "dia contra intolerância ideológica"

Facada sofrida por Jair Bolsonaro completará um ano na próxima sexta-feira (6) - Foto: AP Photo/Raysa Leite

Na próxima sexta-feira (6), a facada sofrida pelo presidente Jair Bolsonaro completa um ano. O crime que marcou a corrida presidencial de 2018 pode agora motivar a criação do Dia Nacional de Combate à Intolerância Ideológica no Brasil.

A ideia de criar a data é do deputado federal Carlos Jordy (PSL-RJ). Ele impetrou, no último dia 28 um projeto de lei para instituir a data no calendário oficial do Brasil, sendo celebrada anualmente.

Na justificativa, Jordy afirmou que o "crescimento desta intolerância traz consigo a Ditadura do Politicamente Correto". Além disso, citou o "risco de retorno de práticas terroristas", fazendo alusão a supostos grupos de esquerda que atuam com essa motivação na década de 60.

De acordo com o Artigo 2º do Projeto de Lei (PL) 4.762/2019, caberá ao Estado apoiar a sociedade civil na promoção de campanhas e seminários para a reafirmação da democracia e o direito da liberdade de pensamento e de expressão.

Vale lembrar que uma das principais bandeiras de Jair Bolsonaro durante a campanha eleitoral era exatamente "governar sem ideologia". O atual presidente declarou repetidamente que as medidas de seu governo seriam baseadas em conhecimento técnico.

Para Jordy, "o Brasil tem sido palco de constantes confrontos ideológicos, não somente entre partidos políticos, mas também entre parcelas da sociedade. As ideologias modernas e contemporâneas racionalizam e justificam paixões muitas vezes de forma exagerada, que ao invés de promoverem um debate restrito às ideias, passam à violência física ou difamatória", afirmou o parlamentar.

No mês de julho, Adelio Bispo, autor do ataque a Bolsonaro, foi considerado inimputável pela justiça, que impôs medida de segurança de internação por prazo indeterminado. O processo referente ao caso foi encerrado.

O episódio da facada voltou às manchetes nesta semana por outro motivo inusitado. Após sofrer o ataque, Jair Bolsonaro foi encaminhado para a Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora (MG). À época, ele chegou a dizer que “nasceu de novo” no local. Posteriormente, anunciou que doaria R$ 2 milhões de sua verba parlamentar como deputado federal para o hospital. Até o momento, a instituição não recebeu o dinheiro.