Facebook pagará até R$ 277 mil para músicos testarem novidades

·2 min de leitura
Facebook está se oferecendo para pagar a músicos e outros criadores de US$ 10.000 (R$ 55 mil) a US$ 50.000 (R$ 277 mil) por sessão em seu produto de áudio ao vivo de cinco meses. (STR/NurPhoto via Getty Images)
  • Facebook está investindo alto testando novas formas de criação de conteúdo na plataforma

  • Companhia de Mark Zuckerberg quer ter um espaço voltado para criadores de conteúdo

  • Outras plataformas têm feito o mesmo investimento para novos conteúdos

O conglomerado de mídia social Meta continua sua tática de comprar ideias do mercado, depois que o CEO Mark Zuckerberg prometeu em julho que a empresa pagaria US$ 1 bilhão (R$ 5.5 bilhões) aos criadores de conteúdo até o final de 2022. Um relatório do The Information detalha como parte desse dinheiro está sendo gasto, com o Facebook de propriedade da Meta pagando aos criadores de até US$ 50.000 (R$ 277 mil) para usar o recurso Live Audio Rooms da plataforma - um rival do outrora badalado app de áudio ao vivo Clubhouse.

Leia também

Quando você ganha tanto dinheiro quanto Meta, comprar o sucesso é uma tática razoável, pelo menos no curto prazo. O Instagram, de propriedade da Meta, por exemplo, tem feito o mesmo para impulsionar seu rival TikTok, Reels, pagando aos criadores até US$ 35.000 (R$ 194 mil) para postar na plataforma.

De acordo com as informações, os termos de uso de salas de áudio ao vivo são igualmente generosos. “O Facebook está se oferecendo para pagar a músicos e outros criadores de US$ 10.000 (R$ 55 mil) a US$ 50.000 (R$ 277 mil) por sessão em seu produto de áudio ao vivo de cinco meses, mais uma taxa para convidados de US$ 10.000 (R$ 55 mil) ou mais”, diz a publicação, citando “pessoas com conhecimento direto dos termos do acordo.”

Facebook está se oferecendo para pagar a músicos e outros criadores de US$ 10.000 (R$ 55 mil) a US$ 50.000 (R$ 277 mil) por sessão em seu produto de áudio ao vivo de cinco meses.(Reprodução/Facebook)
Facebook está se oferecendo para pagar a músicos e outros criadores de US$ 10.000 (R$ 55 mil) a US$ 50.000 (R$ 277 mil) por sessão em seu produto de áudio ao vivo de cinco meses.(Reprodução/Facebook)

Facebook quer ter um espaço voltado para criadores de conteúdo

Por esse dinheiro, o Facebook deseja que os criadores hospedem de quatro a seis sessões de pelo menos 30 minutos de duração. Live Audio Rooms foi lançado nos Estados Unidos em junho, junto com outros produtos focados em áudio, como podcasts, música e "Soundbites".

Entre os nomes estabelecidos que apareceram no Live Audio Rooms estão a cantora Miley Cyrus e a comediante Sherry Cola, embora não haja relatos de que esses indivíduos foram pagos para comparecer. Você pode ter a impressão de que apenas o Meta precisa pagar aos criadores para usar sua plataforma, mas na verdade esse comportamento é comum em toda a indústria (o Meta tem bolsos mais fundos do que a maioria).

O TikTok tem seu Fundo para Criadores, o Snap tem seu programa Spotlight e o Twitter tem um programa “acelerador” pago para seu recurso de áudio Spaces. Na verdade, praticamente todas as grandes plataformas oferecem algum tipo de incentivo financeiro para atrair e reter talentos. A única questão é quem vai ficar quando o dinheiro acabar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos