Facebook pesquisa sistema para ver (ainda mais!) o que fazemos

·3 minuto de leitura
Os pesquisadores do Facebook delinearam uma série de habilidades que deseja que esses sistemas desenvolvam, incluindo "memória episódica" (respondendo a perguntas como "onde deixei minhas chaves?") E "diarização audiovisual" (lembrar quem disse e quando). (Dominic Lipinski/PA Images via Getty Images)
  • Companhia de Mark Zuckerberg está investindo na produção de um novo tipo de óculos;

  • Desenvolvimento poderia dar ao Facebook ainda mais informações sobre nosso cotidiano;

  • Pesquisa do Facebook pode mudar a forma como lidamos com itens de nossas vidas.

O Facebook está investindo muito tempo e dinheiro em realidade aumentada, incluindo a construção de seus próprios óculos com a Ray-Ban. No momento, esses dispositivos só podem registrar e compartilhar imagens, mas para que a empresa acha que esses dispositivos serão usados ​​no futuro?

Leia também:

Um novo projeto de pesquisa liderado pela equipe de IA do Facebook sugere o escopo das ambições da empresa. Ele imagina sistemas de IA que estão constantemente analisando a vida das pessoas usando vídeo em primeira pessoa; registrando o que veem, fazem e ouvem para ajudá-los nas tarefas diárias. Os pesquisadores do Facebook delinearam uma série de habilidades que deseja que esses sistemas desenvolvam, incluindo "memória episódica" (respondendo a perguntas como "onde deixei minhas chaves?") E "diarização audiovisual" (lembrar quem disse e quando).

No momento, as tarefas descritas acima não podem ser realizadas de maneira confiável por nenhum sistema de IA, e o Facebook enfatiza que se trata de um projeto de pesquisa e não de um desenvolvimento comercial. No entanto, está claro que a empresa vê funcionalidades como essas como o futuro da computação RA. “Definitivamente, pensando em realidade aumentada e o que gostaríamos de fazer com ela, há possibilidades no futuro de que estaríamos aproveitando esse tipo de pesquisa”, disse a pesquisadora de IA do Facebook Kristen Grauman em entrevista ao site norte-americano The Verge.

Essas ambições têm enormes implicações para a privacidade. Especialistas em privacidade já estão preocupados com a forma como os óculos AR do Facebook permitem que os usuários gravem secretamente os membros do público. Essas preocupações só serão exacerbadas se as versões futuras do hardware não apenas gravarem as imagens, mas também as analisarem e transcreverem, transformando os usuários em máquinas de vigilância ambulantes.

Projeto quer analisar pessoas a partir do próprio ponto de vista

O nome do projeto de pesquisa do Facebook é Ego4D, que se refere à análise de vídeo em primeira pessoa, ou “egocêntrico”. Ele consiste em dois componentes principais: um conjunto de dados aberto de vídeo egocêntrico e uma série de benchmarks que o Facebook acha que os sistemas de IA devem ser capazes de lidar no futuro.

O conjunto de dados é o maior desse tipo já criado, e o Facebook fez parceria com 13 universidades ao redor do mundo para coletar os dados. No total, cerca de 3.205 horas de filmagens foram gravadas por 855 participantes que vivem em nove países diferentes. As universidades, e não o Facebook, foram responsáveis ​​pela coleta dos dados. Os participantes, alguns dos quais eram pagos, usaram câmeras GoPro e óculos AR para gravar vídeos de atividades não programadas. Isso varia de trabalho de construção a assar, brincar com animais de estimação e socializar com amigos. Todas as filmagens foram desidentificadas pelas universidades, o que incluiu borrar os rostos dos espectadores e remover todas as informações de identificação pessoal.

Na verdade, a criação de um conjunto de dados específico e uma competição anual associada, conhecida como ImageNet, costumam ser creditados como o pontapé inicial do recente boom da IA. Os conjuntos de dados ImagetNet consistem em imagens de uma grande variedade de objetos que os pesquisadores treinaram os sistemas de IA para identificar. Em 2012, o vencedor da competição usou um método particular de aprendizado profundo para superar os rivais, inaugurando a atual era da pesquisa.

Quando questionado sobre essas questões, um porta-voz do Facebook disse que esperava que salvaguardas de privacidade fossem introduzidas mais adiante. “Esperamos que na medida em que as empresas usem esse conjunto de dados e benchmark para desenvolver aplicativos comerciais, elas desenvolvam proteções para tais aplicativos”, disse o porta-voz. “Por exemplo, antes que os óculos AR possam melhorar a voz de alguém, pode haver um protocolo que eles sigam para pedir permissão aos óculos de outra pessoa, ou eles podem limitar o alcance do dispositivo para que ele possa captar apenas os sons das pessoas com quem eu já estou conversando ou que estão nas minhas proximidades”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos