Facebook sabotou páginas de saúde durante a pandemia

Facebook sabotou páginas de saúde da Austrália durante a pandemia do Covid-19
Facebook sabotou páginas de saúde da Austrália durante a pandemia do Covid-19
  • O Facebook sabotou o acesso a páginas da web de hospitais, serviços de emergência e instituições de caridade;

  • Medida foi tomada em retaliação a lei exigia pagamento às organizações de notícias por conteúdo online;

  • A companhia alegou que se tratou de um “erro técnico”.

O Facebook bloqueou deliberadamente o acesso às páginas do governo australiano durante a campanha de vacinação contra a COVID do país. Aparentemente a medida foi tomada em retaliação às autoridades por uma proposta de lei que exigia que a rede social pagasse às organizações de notícias por conteúdo online , de acordo com reportagem do Wall Street Journal.

A publicação citou um denunciante da empresa que forneceu documentos supostamente provando que o Facebook sabotou o acesso a páginas da web de hospitais, serviços de emergência e instituições de caridade em meio a uma pandemia.

O Facebook disse que nunca teve como objetivo derrubar as páginas administradas pelo governo australiano e que um “erro técnico” foi o culpado. Apesar disso, um funcionário negou a alegação, afirmando: “Ficou claro que não estávamos cumprindo a lei, mas um ataque a instituições cívicas e serviços de emergência na Austrália”.

De acordo com o jornal, o Facebook estava tentando pressionar o governo australiano depois que o parlamento votou para instituir uma lei que exigia que as plataformas online pagassem aos editores pelo conteúdo. A gigante da tecnologia respondeu implantando um algoritmo destinado a bloquear o acesso a páginas de notícias australianas, bem como a portais usados ​​para fornecer serviços importantes de saúde pública.

A estratégia do Facebook de segmentar uma ampla gama de páginas classificadas como “notícias” foi adotada para evitar a violação da lei australiana, que proíbe as plataformas de permitir links para alguns editores e não para outros, de acordo com o Journal. A empresa também agiu preventivamente para remover páginas porque temia que os editores fossem ao tribunal em um esforço para impedi-lo de fazê-lo assim que a lei entrasse em vigor, informou o Journal.

O porta-voz do Facebook, Andy Stone, disse que não havia nada de nefasto no que a empresa fez.

“Os documentos em questão mostram claramente que pretendíamos isentar as páginas do governo australiano de restrições em um esforço para minimizar o impacto dessa legislação equivocada e prejudicial”, disse Stone.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos