Facebook tentará afastar adolescentes de conteúdo prejudicial

·1 minuto de leitura

WASHINGTON (Reuters) - Um executivo do Facebook Inc disse neste domingo que a empresa deve introduzir novas medidas em seus aplicativos para afastar adolescentes de conteúdos prejudiciais, no momento em que parlamentares norte-americanos analisam como a rede social e subsidiárias, caso do Instagram, afetam a saúde mental dos jovens.

Nick Clegg, vice-presidente do Facebook para assuntos globais, também expressou abertura à ideia de permitir que reguladores tenham acesso aos algoritmos, usados para amplificar conteúdo.

Clegg disse, no entanto, que ele não poderia responder se os algoritmos amplificaram as vozes das pessoas que invadiram o Capitólio dos EUA em 6 de janeiro.

Os algoritmos "têm que ser cobrados, se necessário, pela regulação, para que as pessoas possam comparar o que nossos sistemas dizem que eles devem fazer com o que realmente acontece", disse Clegg ao programa State of the Union da emissora CNN.

Ele falou dias depois do ex-funcionário do Facebook e delator Frances Haugen depor no Capitólio sobre como a empresa incentiva usuários a continuar navegando, prejudicando o bem-estar dos adolescentes.

"Introduziremos algo que acho que fará uma diferença considerável, que seria nossos sistemas percebendo que um adolescente está vendo o mesmo conteúdo várias e várias vezes e é um conteúdo que pode não ser favorável ao seu bem-estar, e vamos incentivá-los a olhar para outro conteúdo", disse Clegg à CNN.

(Reportagem de Susan Cornwell)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos