Fachadas de prédio se tornam vitrines para a arte contemporânea

Lívia Neder
·2 minuto de leitura

RIO - Até recentemente restrita a portarias, a arte contemporânea ganha fachadas de novos edifícios, podendo ser apreciada também pelos que passam pelas calçadas. Dois prédios novos, no Leblon e no Jardim Botânico, expõem a tendência. Na Avenida Delfim Moreira, um futuro canteiro de obras tem ares de galeria a céu aberto, com instalações de Raul Mourão.

Especializada em imóveis de alto padrão na Zona Sul, a construtora Mozak chamou o Coletivo MUDA para dar colorido especial ao edifício Matiz, na Rua Professor Saldanha, no Jardim Botânico. O painel cinético fixo em azulejos conversa com o paisagismo. Ligado ao grafite, o grupo foi criado em 2010 pelos designers Bruna Vieira e João Tolentino e os arquitetos Diego Uribbe, Duke Capellão e Rodrigo Kalache.

— Cada intervenção nossa é pensada para onde será instalada. O grupo também procura interferir no cotidiano da cidade e dos passantes. O objetivo é oferecer uma experiência urbana lúdica e surpreendente — diz Kalache.

Já para o Atobá, na Rua João Lira, no Leblon, a Mozak convidou Daniel Senise a criar o projeto artístico da fachada. A construção e a desconstrução de planos e perspectivas estão presentes na obra do pintor, que também é formado em engenharia civil.

Ainda no Leblon, a exposição “Viva rebel”, de Raul Mourão, ocupa um terreno da Gafisa na Delfim Moreira, com duas esculturas cinéticas inéditas e uma instalação com setas em bandeiras hasteadas a seis metros. Abertos ao público, os trabalhos podem ser vistos até 21 de março. O título é uma alusão ao espaço cultural Audio Rebel, que passa por dificuldades na pandemia. Mourão também está produzindo documentário sobre a casa.

No passado, a arte e a arquitetura dos prédios da cidade andavam mais próximas, como prova a exposição “Paulo Werneck – Murais para o Rio”, no Museu de Arte do Rio (MAR). Os mosaicos de Werneck (1907-1987) estão espalhados por construções como o edifício Maracati, no Leme, e o Clube Monte Líbano, na Lagoa.