Fachin vota pela proibição de revistas íntimas de visitantes em presídios

·2 minuto de leitura
Justiça do Rio determinou fim da revista íntima para visitantes nos presídios
Justiça do Rio determinou fim da revista íntima para visitantes nos presídios

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou nesta quarta-feira pela proibição da revista íntima a visitantes em estabelecimentos prisionais. Segundo ele, se houver indícios ou prova de que o visitante traz no corpo algum objeto ou substância ilícita ou proibida, é possível fazer a busca pessoal, em que o agente apalpa o suspeito. No entanto, o ministro defendeu que a pessoa não seja jamais submetida a esse procedimento sem roupa, ou que tenha cavidades do corpo inspecionadas.

Fachin afirmou que objetos proibidos só podem ser detectados com o uso de equipamento eletrônico. E, se o estabelecimento não tiver acesso ao equipamento, não pode usar isso como justificativa para realizar revista íntima. O julgamento será concluído na quinta-feira, com o voto de outros novo ministros. A decisão servirá de parâmetro para juízes de todo o país na análise de processos sobre o assunto.

Caso seu voto seja acompanhado pela maioria dos ministros, Fachin sugeriu o seguinte enunciado como tese: “É inadmissível a prática vexatória da revista íntima em visitas sociais nos estabelecimentos de segregação compulsória, vedado, sob qualquer forma ou modo, o desnudamento de visitantes e a abominável inspeção de suas cavidades corporais, e a prova obtida a partir dela é ilícita, não cabendo como escusa a ausência de equipamentos eletrônicos e radioscópicos”.

O caso em julgamento no STF é de uma mulher que foi submetida a revista íntima em um presídio quando ia fazer uma visita. Os agentes descobriram que ela levava aproximadamente 96 gramas de maconha enrolada em um preservativo dentro da vagina. O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul anulou a prova contra a mulher, porque ela foi obtida de maneira ilícita. Fachin concordou com essa interpretação.

— O ritual subjacente à revista íntima como protocolo geral de entrada em estabelecimentos prisionais, em maior ou menor grau, ostenta inexorável caráter vexatório e não se justifica racionalmente à luz do arcabouço de regras e princípios constitucionais, em especial quando se realiza indistintamente como condição necessária à visitação social em ambiências de restrição de liberdade, sem qualquer elemento concreto que aponte a suspeita do porte de itens proibidos — disse Fachin.

O ministro lembrou que há várias leis estaduais proibindo a prática, no entanto, ela segue sendo uma rotina na maior parte dos presídios, devido à falta de scanners nos estabelecimentos.

— Essa justificativa não tem albergue na ordem constitucional vigente — afirmou o ministro.

Antes do voto de Fachin, o vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, defendeu as revistas íntimas como forma de proteger os familiares dos presos das pressões do crime organizado. Sem a devida fiscalização do Estado, a criminalidade teria mais espaço para obrigar os visitantes a levaram mais objetos e substâncias ilícitas aos presídios.

— As consequências que se pretende dar a esse abuso mais desprotege do que protege as pessoas que pretendemos zelar — disse Medeiros.