Fake news sobre 'lei seca' provoca corrida e filas na Ambev em MG; veja vídeo

Redação Notícias
·5 minuto de leitura
Fake news levou pessoas a se aglomerarem em filas atrás de bebidas alcoólicas (Foto: Reprodução)
Fake news levou pessoas a se aglomerarem em filas atrás de bebidas alcoólicas (Foto: Reprodução)

 

  • Fake news sobre 'lei seca' provocou filas atrás de bebidas alcoólicas em Passos (MG)

  • Prefeitura desmente boato e lamenta aglomeração

  • Jornalista acusa que fake foi passada pelo prefeito Diego Rodrigo de Oliveira (PSL)

Uma fake news sobre possíveis novas restrições na circulação de pessoas em Passos, no interior de Minas Gerais, por conta do avanço da Covid-19, provocou corridas e filas na Ambev, empresa dedicada à produção de bebidas, na manhã desta sexta-feira (26).

Desde a noite de quinta (25), passou a circular uma notícia que, a partir do próximo sábado (27), a prefeitura do município de 115 mil habitantes decretaria uma "lei seca", impedindo a venda de bebidas alcoólicas na cidade até o dia 4 de abril.

Leia também:

Por este motivo, diversos moradores foram até a fábrica da Ambev e supermercados da cidade em busca de cervejas, vinhos e destilados. Houve filas e aglomeração.

Em um vídeo, que circula pelas redes sociais, é possível ver ao menos 10 carros em fila em frente à fabrica da Ambev em Passos.

"Olha aqui como é que está na porta da Ambev, vamos ver como que vai acabar. Olha o menino lá vindo com mais cervejas", diz um homem no vídeo, enquanto filma o porta-malas de um carro com diversas caixas de cerveja.

Em outras imagens, pessoas aparecem em supermercados com os carrinhos de compras lotados de bebidas alcoólicas.

Um morador, que não foi identificado, publicou até um stories no instagram no supermercado levando cerca de 30 garrafas de vinho. "E o medo de ficar sem (sic) arco", escreveu.

Veja o vídeo:

Prefeitura desmente informação

A fake news só foi desmentida na tarde desta sexta-feira (26), quando a Prefeitura Municipal de Passos publicou nas redes sociais uma nota de esclarecimento dizendo que não haveria "lei seca".

"Em resposta às especulações de um eventual decreto sobre "lei seca" em nosso município, a Prefeitura Municipal de Passos esclarece que, não haverá nenhum decreto nesse sentido e que seguimos atendendo o Decreto Municipal 210 onde classifica nossa cidade na "Onda Roxa"", diz trecho da nota.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

A Prefeitura ainda lamentou as aglomerações causadas pelo boato em meio à crise do coronavírus. De acordo com o Boletim Epidemiológico desta sexta-feira (26) da Secretaria de Saúde de Passos, a cidade conta com 4.259 casos confirmados de Covid-19 e 96 óbitos em decorrência da doença.

"Lamentamos os tumultos e o grave risco de contaminação causados por tal ação. Reiteiramos ainda que os únicos canais oficiais de informações ao enfrentamento da Covid-19 no município de Passos são os da Prefeitura", completa a Prefeitura.

Prefeito teria passado 'fake news' a jornal

No entanto, o jornal online TV Passos, que noticiou na noite de quinta-feira (25) a possível "lei seca" na cidade, afirma que a informação foi dada pelo próprio prefeito do município ao jornal.

Segundo o apresentador do programa Jose Carlos Kallas, o prefeito Diego Rodrigo de Oliveira (PSL) enviou uma mensagem por WhatsApp direto ao jornalista dizendo que haveria "lei seca".

Em um print do diálogo que, segundo o jornalista, foi feito na última quinta (25), Kallas teria perguntado ao prefeito: "Você tomou alguma decisão mais drástica, ou vai esperar?". Além disso, o jornalista garantiu que não atribuiria a informação ao parlamentar.

O prefeito, por sua vez, teria respondido: "Lei seca a partir de sábado" e ainda confirmado que aconteceria até o próximo dia 4 de abril.

Procurada, a Prefeitura de Passos não confirmou se a conversa de fato aconteceu.

Onda Roxa em Minas Gerais

Na cidade de Passos, um decreto do último dia 18, proíbe a venda de bebidas alcoólicas durante o período do toque de recolher instituído pela onda roxa do programa Minas Consciente no estado de Minas Gerais, ordenado pelo governador Romeu Zema (Partido Novo). Para evitar que reuniões familiares e aglomerações ocorram, a medida foi tomada pela administração municipal.

Com a decisão da prefeitura, a comercialização de bebidas alcoólicas fira suspensa durante às 20h de um dia até as 5h do outro. A medida é uma espécie de lei seca instaurada pela administração municipal. E a proibição vale também para o sistema delivery, ficando proibida a venda por meio de entrega.

Desta forma, assim como instituído para todas as cidades de Minas Gerais, apenas os serviços essenciais podem funcionar pelo período de 15 dias.

714 pacientes com Covid na fila por UTI

Dados do estado de Minas Gerais, mostram que até esta quarta-feira (24), o estado registrou pelo menos 714 pacientes com Covid-19 aguardando vagas de terapia intensiva. Por causa da ocupação hospitalar, a "onda roxa" do programa Minas Consciente se estenderá até o dia 4 de abril.

De acordo com o Secretário de Estado de Saúde, Fábio Bacheretti, os pacientes com Covid-19 têm ficado mais tempo nas UTIs e, nem mesmo a criação de novos leitos, que dobraram desde o início da pandemia, foi suficiente para suprir a demanda.

Ainda segundo ele, em três dias, o número de pacientes na fila por leito aumentou 51,9%. Minas Gerais tem 2.525 pacientes internados leitos de UTI específicos a doença.

Cidades não aderiram restrições

Pelo menos três cidades do Sul de Minas seguem sem aderir à onda roxa do Minas Consciente: Varginha, Carmo do Rio Claro e São Sebastião do Paraíso. Guaxupé e Campo do Meio também haviam anunciado que não seguiriam as recomendações, mas fizeram a adesão.