Fala de Bolsonaro faz Egito cancelar viagem de comitiva brasileira

GUSTAVO URIBE E MARIANA CARNEIRO

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governo egípcio cancelou uma visita que o ministro de Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes Ferreira, faria ao país árabe.

O chanceler brasileiro desembarcaria no país nesta quarta-feira (7) e cumpriria uma agenda de compromissos entre os dias 8 e 11 de novembro.

Nesta segunda-feira (5), o governo brasileiro foi informado pelo Egito que a viagem teria que ser cancelada por mudança na agenda de autoridades do país.

Não é comum no protocolo da diplomacia desmarcar viagens em cima da hora.

O gesto, segundo diplomatas brasileiros, foi uma retaliação às declarações recentes do presidente eleito Jair Bolsonaro.

Ele disse que pretende reconhecer Jerusalém como capital de Israel e que irá transferir a embaixada brasileira de Tel Aviv para a cidade, o que tem desagradado a comunidade árabe.

Segundo relatos de diplomatas, a Liga dos Países Árabes enviou inclusive uma nota à embaixada brasileira no Cairo condenando as declarações do presidente eleito. Para a visita de Aloysio, um grupo de empresários brasileiros já tinha chegado ao Egito.

Juntos, os países árabes são o segundo maior comprador de proteína animal brasileira. Em 2017, as exportações somaram US$ 13,5 bilhões e o superávit para o Brasil foi de US$ 7,17 bilhões.

A declaração de Bolsonaro irritou o governo federal. A avaliação de assessores presidenciais é de que a mudança da embaixada pode prejudicar a economia brasileira e acaba envolvendo o país em uma disputa regional.

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, defende que seja respeitado o posicionamento do diplomata brasileiro Oswaldo Aranha (1894-1960), que apoiou a partição da Palestina entre judeus e árabes.

"Essa é uma opinião pessoal: espero que o presidente eleito reflita sobre esse assunto antes de tomar uma decisão. Não vejo nada que pode vir de positivo nisso", disse ele à Folha.

Para o presidente da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, Rubens Hannun, a mudança da embaixada pode abrir as portas para países concorrentes do Brasil no setor de proteína animal, como Turquia, Austrália e Argentina.

Para Hannun, a questão da embaixada brasileira em Israel é algo forte e sensível.

"Já tivemos ruídos com a [Operação] Carne Fraca e com a paralisação dos caminhoneiros, mas conseguimos superar. Temos a fidelidade dos países árabes", afirma Hannun.