Fala de José Dirceu sobre TSE e reeleição de Bolsonaro circula fora de contexto

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
José Dirceu foi ministro-chefe da Casa Civil durante primeiro mandato do governo do ex-presidente Lula em 15 de novembro 2013 (Foto: Reuters / Nacho Doce)
José Dirceu foi ministro-chefe da Casa Civil durante primeiro mandato do governo do ex-presidente Lula em 15 de novembro 2013 (Foto: Reuters / Nacho Doce)
  • Mensagem alega que José Dirceu teria afirmado que Bolsonaro não se reelegeria porque o TSE e seus ex-presidentes se manifestaram contra ele

  • Ex-ministro da Casa Civil disse isso em uma entrevista a um programa do PT

  • Na verdade, Dirceu elencou uma série de fatores para justificar por que acreditava que a reeleição do presidente não deve ocorrer

Uma publicação com centenas de interações nas redes sociais é compartilhada como se o ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu (PT), tivesse afirmado que "Bolsonaro não ganhará as eleições porque todo o TSE, e seus ex-presidentes, já se manifestaram contra ele". Contudo, na entrevista completa, é possível ouvir que Dirceu se referia também à rejeição do presidente Jair Bolsonaro (PL) entre diversas parcelas da população e que por isso o mandatário não se reelegeria nas eleições deste ano.

Captura de tela de uma publicação no Twitter afirmando que José Dirceu teria afirmado que Bolsonaro não se reelegerá por conta do TSE (Foto: Twitter / Reprodução)
Captura de tela de uma publicação no Twitter afirmando que José Dirceu teria afirmado que Bolsonaro não se reelegerá por conta do TSE (Foto: Twitter / Reprodução)

Em entrevista publicada em agosto de 2021 no canal do PT no YouTube, Dirceu declarou que o presidente Jair Bolsonaro "está absolutamente isolado na sociedade brasileira". E completou: "é verdade que ele tem um eleitorado conservador, um eleitorado que vai apoiá-lo [...]. Mas ele não será eleito neste país no segundo turno".

Na fala completa, ele justificou essa posição, falando sobre a rejeição e falta de apoio do mandatário entre segmentos da sociedade, não somente sobre a falta de apoio do TSE.

Ele destacou que bastava observar "a manifestação de todo o TSE e de todos os ex-presidentes do TSE, do empresariado" contra o presidente, assim como o "repúdio que o Bolsonaro tem entre artistas, intelectuais, cientistas e acadêmicos. A rejeição entre as mulheres, os jovens, negros e negras e a ampla reprovação do seu governo pelo país".

O ex-ministro afirmou também que o impeachment de Jair Bolsonaro já é uma realidade na sociedade e que tem convicção de que esse impedimento "se expressará nas urnas".

E concluiu: "a partir das próprias pesquisas da realidade, da experiência histórica do Brasil, Bolsonaro não vencerá as eleições".

Conteúdo semelhante foi verificado pelo Aos Fatos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos