Fala de Faria nos EUA mostra estratégia do governo de mirar PT para aumentar rejeição de Lula

·1 min de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 05.05.2021 - O ministro das Comunicações, Fábio Faria, durante entrevista coletiva em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 05.05.2021 - O ministro das Comunicações, Fábio Faria, durante entrevista coletiva em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O tom duro do discurso do ministro Fábio Faria (Comunicações) no evento "Governe Conference", organizado pela Igreja Lagoinha em Orlando (EUA) no final de semana, foi lido no Palácio do Planalto como sinal de que o governo vai passar a atacar o PT para aumentar a rejeição de Lula.

Faria, visto como moderado entre governistas, adotou o repertório bolsonarista. Ao falar da disputa com petistas, citou pessoas morrendo de fome "se o comunismo voltar", mencionou a Venezuela e a liberação do aborto na Argentina.

"O Lula vem com o Zé Dirceu, com a Natália Bonavides [deputada federal do PT-RN], Fátima Bezerra [governadora Rio Grande do Norte], com Gleisi [Hoffmann, presidente PT]. Vem com um grupo que nunca mais vai querer sair do poder. Vão vir vingativos, com raiva e não vão nem pensar no Brasil", disse Faria, que é pré-candidato ao Senado pelo Rio Grande do Norte.

Ao mirar o PT, dizem assessores da Presidência, será possível reavivar a rejeição ao partido e atrelá-la ao ex-presidente. O sentimento antipetista foi um dos motores da vitória de Bolsonaro, em 2018.

O entendimento é que até o momento o que se expõe é só a imagem de Lula, e não a do PT, que carrega mais rejeição junto à população, com relação à pautas de costumes. O último Datafolha mostrou que Lula tem 34% de rejeição, enquanto Bolsonaro tem 60%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos