Fala de Guedes em evento de comemoração dos 70 anos do BNDES gera revolta entre servidores

Desde o evento de comemoração dos 70 anos do BNDES, nesta segunda-feira (dia 20), o clima entre os servidores da instituição é de revolta. Isso porque, na ocasião, o ministro da Economia Paulo Guedes teceu uma série de críticas a posturas recentes tomadas pelo banco, entre elas, a decisão de entrar com ação no Tribunal de Contas da União (TCU) argumentando que a devolução antecipada de valores antes do prazo geraria perda de dinheiro.

— Temos um orgulho enorme de fazer parte do BNDES. Temos uma cerimônia bonita de entrega de medalhas por tempo de serviço, uma tradição consolidada. Para, no evento, o ministro esculhambar a casa. Eu fiquei envergonhado como brasileiro e empregado do banco. Ontem, foi um marco do desrespeito institucional — afirmou Arthur Koblitz, presidente da Associação dos Funcionários do BNDES e integrante do conselho administrativo do banco.

Na ocasião, o ministro da Economia Paulo Guedes afirmou que, apesar da instituição ter retornado R$ 240 milhões à União, o banco ainda estaria devendo dinheiro e que o BNDES "aplicou uma rasteira" no governo ao entrar com a ação no TCU.

— A gestão do Paulo Guedes apresenta uma agenda negativa para o banco, sem ter propostas, de aceitar todos os pedidos de devolução de empréstimos feitos a longo prazo. A partir de 2008, foram concedidos para o banco empréstimos de, no mínimo, 40 anos, para que o banco pudesse responder à crise. Todos foram pagos antecipadamente, desrespeitando a Lei de Responsabilidade Fiscal — continua.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos