Falha afeta operação da linha 15-prata do monotrilho nesta sexta (20)

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 19.03.2022 - Vista da estação Vila Prudente, da linha 15-prata da CPTM. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 19.03.2022 - Vista da estação Vila Prudente, da linha 15-prata da CPTM. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A linha 15-prata do monotrilho enfrenta problemas desde as 6h desta sexta-feira (20), afetando o deslocamento de milhares de passageiros.

O monotrilho circula com velocidade reduzida em toda a linha por conta de uma interferência entre as estações Vila Prudente e Oratório. Além da menor velocidade, as composições estão com maior tempo de parada nas estações.

As plataformas das estações estão cheias e os passageiros relatam dificuldades para embarcar.

Nas redes sociais vários usuários reclamam da situação.

"Monotrilho caótico de novo!!! Velocidade reduzida de novo!!! A gente surtando logo cedo de novo!", escreveu Loren Braga, por exemplo.

"Problema na linha 15 prata com maior tempo de parada. Peguei na Vila União para seguir a Vila Prudente e está um caos, cada parada ficamos até 5 min parados em cada estações", escreveu Leandro Zuccaratto em uma rede social.

"Até quando vamos ter que aguentar problemas na linha 15-Prata? Toda semana agora vamos ter que enfrentar problemas?", questionou Sara Souza.

"Uma sugestão pro metrô da capital paulista? Joga esse linha 15 Prata toda no chão e acaba com isso de uma vez por todas", ironizou Paulo Gonçalves Soares.

Segundo o Metrô, uma falha em um equipamento está causando os problemas, mas a companhia não explicou que equipamento é esse e nem sua função.

Não há previsão de normalização e a operação Paese (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência) não foi colocada em operação.

Esse é o segundo problema que a linha enfrenta pela segunda semana seguida. No último dia 11, um deslocamento de concreto causou atrasos na operação dos trens da linha 15-prata do monotrilho ainda durante a madrugada. Segundo o Metrô, a falha foi detectada durante uma inspeção após o horário de pico matutino.

A linha só foi totalmente normalizada por volta das 16h15, segundo o Metrô, com a correção do deslocamento de concreto e a realização de testes.

Durante aquele dia, não houve viagens entre as estações Vila Prudente e Vila União, e 30 ônibus da operação Paese (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência) atendem os passageiros.

HISTÓRICO

Em setembro do ano passado, um bloco de concreto caiu de uma altura de 15 metros sobre uma ciclovia na avenida Luiz Inácio Anhaia Mello, na zona leste da capital.

Em 2020, o estouro de um pneu lançou uma placa de metal que caiu na avenida Sapopemba e paralisou a linha durante cerca de cem dias.

Em janeiro de 2019, dois trens se chocaram na estação Jardim Planalto. Um dia depois, um equipamento chamado terceiro trilho se soltou e ficou pendurado a 15 metros do solo. Depois, o muro de uma das novas estações desabou sobre a escada que dá acesso à plataforma.

Ainda no último dia 11, o promotor Sílvio Marques, da Promotoria de Justiça do Patrimônio Público do Ministério Público de São Paulo, responsável pelo inquérito que apura os problemas na linha, enviou ofício ao Metrô pedindo informações sobre o descolamento de concreto e informações sobre medidas tomadas quanto ao caso e sobre os recorrentes problemas da linha.

O Ministério Público também questionou se haverá necessidade de paralisação da linha por causa dos incidentes.

O Núclo de Engenharia do CAEx (Centro de Apoio Operacional à Execução), do Ministério Público, deve entregar ainda este mês um relatório sobre a queda do concreto no ano passado.

Um 2021, relatório técnico feito pelo Caex apontou que o que causou o estouro dos pneus de uma composição do monotrilho da linha 15-prata, em fevereiro de 2020, foram problemas de projeto e execução da linha, assim como, problemas de projeto, fabricação e montagem dos trens.