Falhas na segurança geram dúvidas após ataque aos Três Poderes em Brasília

Um dia depois do ataque às sedes dos Três Poderes, em Brasília, por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro, surgem interrogações sobre o despreparo, a imperícia ou até mesmo a eventual cumplicidade das forças de segurança do Distrito Federal nos episódios.

Como os invasores conseguiram ter acesso tão facilmente aos locais-chave do poder em Brasília? Alguém financiou o ataque à democracia brasileira?

Por que as forças de ordem não desmontaram os acampamentos dos apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro, instalados há dois meses em frente a quartéis militares em todo o país, reivindicando uma intervenção militar para impedir que Luiz Inácio Lula da Silva voltasse ao poder?

"Tragédia mais do que anunciada em Brasília", escreveu o editorialista Eliomar de Lima no título de uma crônica para o jornal O Povo, de Fortaleza.

Houve sinais que antecederam estes eventos. Na noite de sábado, uma centena de ônibus com cerca de 4.000 apoiadores de Bolsonaro chegaram à capital federal e se uniram ao acampamento montado em frente ao quartel-general do Exército na capital federal.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, autorizou, então, o envio de agentes da Força Nacional de Segurança, mobilizada em casos de ameaça à lei e à ordem.

Isso não impediu que os manifestantes percorressem 8 km de onde estavam acampados até a Praça dos Três Poderes, onde se situam o Palácio do Planalto, o Supremo Tribunal Federal e o Congresso Nacional, sem serem impedidos pela polícia.

- "Má vontade ou má fé" -

"Houve, eu diria, incompetência, má vontade ou má fé das pessoas que cuidam da segurança pública no Distrito Federal", afirmou o presidente Lula no domingo, antes de voltar para Brasília.

Lula estava em Araraquara, no interior de São Paulo, em visita a esta cidade afetada por inundações provocadas pelas fortes chuvas.

Minutos antes da invasão, o secretário de Segurança Pública do Distrito Federal em exercício, Fernando de Sousa Oliveira, enviou uma mensagem ao governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha.

"Os manifestantes estão descendo do SMU [Setor Militar Urbano], escoltados pela polícia. Tudo tranquilo. Tivemos uma negociação para eles descerem de forma pacífica, organizada, acompanhada. Toparam", disse em um áudio publicado pelo site Metrópoles.

Em editorial publicado nesta segunda-feira, o jornal Estado de São Paulo destacou "a estarrecedora facilidade com que baderneiros que não se conformam com a derrota de Jair Bolsonaro (...) depredaram as sedes dos Três Poderes em Brasília (...) no maior ataque à democracia brasileira desde o fim da ditadura militar".

- "Todas as despesas pagas" -

Muito antes da chegada dos ônibus, várias publicações nas redes sociais fizeram alusão às concentrações em Brasília.

"Todas as despesas pagas. Água, café da manhã, almoço e jantar. E vão acampar no Planalto", sede do Executivo, ressaltou em uma mensagem, um grupo de apoiadores de Bolsonaro no Telegram.

Dúvidas também pairaram sobre os serviços de Inteligência do Estado.

A atitude de alguns policiais também foi questionada após a divulgação de vídeos que mostraram agentes filmando a invasão com seus celulares ao invés de intervirem.

"Não faltou segurança, havia policiais. Eles precisavam agir, não deixar que fizessem o que fizeram. Foi uma invasão", disse em Brasília Pedro Sabino Rapatoni, auxiliar administrativo de 21 anos.

Míriam Leitão, comentarista de política da TV Globo, denunciou, nesta segunda, que a "bolsonarização dos órgãos de segurança estava muito clara aqui em Brasília".

Ela pontuou, particularmente, a exoneração do secretário de Segurança do Distrito Federal, Anderson Torres, ex-ministro da Justiça de Bolsonaro, que estava em viagem aos Estados Unidos no domingo, assim como o ex-presidente.

Torres foi exonerado no domingo pelo governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, posteriormente afastado de suas funções por 90 dias pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes.

Outros funcionários públicos poderiam ser exonerados nos próximos dias.

lg/pt/ial/mr/ltl/mvv/ic