Falsa vidente que participaram de golpe de R$ 725 milhões em idosa é presa

A falsa vidente Diana Rosa Stanesco, de 37 anos, e seu pai, Slavko Vuletic, foram detidos nesta terça-feira (16) na Operação Sol Poente. (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
A falsa vidente Diana Rosa Stanesco, de 37 anos, e seu pai, Slavko Vuletic, foram detidos nesta terça-feira (16) na Operação Sol Poente. (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
  • Prisão ocorreu no Rio de Janeiro

  • Pai da falsa vidente que recebia transferências da idosa também foi preso

  • Plano foi orquestrado pela filha da vítima, que já está presa

Mais duas pessoas foram presas pelo golpe de R$ 725 milhões em Genevieve Boghchi, de 83 anos. Slavko Vuletic e sua filha, Diana Rosa Stanesco, de 37 anos, foram detidos nesta terça-feira (16) na Operação Sol Poente, em Saquarema, na Região dos Lagos, no Rio de Janeiro.

Diana é suspeita de ser uma das três pessoas que se passaram por videntes para extorquir a idosa, em um plano orquestrado pela própria filha da vítima, Sabine Bogchi, que já foi presa. Já seu pai teria recebido as transferências milionárias que a idosa fez para pagar falsos trabalhos espirituais.

"A gente não é do mal, a gente tenta ser do bem, mas tem os seus desvios com certeza”, disse o homem no momento da prisão. "Naturalmente, me arrependo e não queria tá nessa situação e acho que não sou merecedor de tanto sucesso assim porque não fiz tanto, no meu ponto de ver.”

Além de transferências, o grupo roubou obras de arte de Genevive, que é viúva do colecionador Jean Bogchi.

As investigações estão a cargo da Delegacia Especial de Atendimento à Pessoa da Terceira Idade (Deapti). Segundo o órgão, Diana tem dez anotações criminais.

Como foi o golpe?

Para conseguir extorquir dinheiro da mãe, a filha contratou pessoas para se passarem por videntes e venderem trabalhos espirituais à idosa.

Segundo a Polícia Civil, a filha elaborou o plano no começo de 2020. A primeira etapa foi contratar uma mulher que deveria abordar a vítima na rua para lhe dizer que a morte de sua filha estava próxima.

Ela teria alegado ser vidente para levar a idosa para outras duas pessoas, que se passariam por uma cartomante e uma mãe de santo. As comparsas, então, iriam sugerir o pagamento de um trabalho para salvar a filha. Em um intervalo de 15 dias, a idosa transferiu R$ 5 milhões aos golpistas.