Falsas videntes, cárcere privado e obras milionárias: entenda golpe sofrido por idosa

Filha organizou golpe com falsas videntes para tirar R$ 725 milhões da própria mãe (Foto: Reprodução)
Filha organizou golpe com falsas videntes para tirar R$ 725 milhões da própria mãe (Foto: Reprodução)
  • Golpe com falsas videntes tirou R$ 725 milhões de uma idosa no Rio de Janeiro

  • O crime foi liderado pela filha da mulher, a atriz Sabine Boghici

  • Além dela, três pessoas foram presas por envolvimento no esquema

Um golpe de R$ 725 milhões aplicado pela própria filha e outras três pessoas em uma idosa no Rio de Janeiro segue repercutindo no Rio de Janeiro.

A atriz Sabine Boghici liderou o esquema que roubou 16 obras de artes da própria mãe, manteve a vítima em cárcere privado e a extorquiu durante cerca de um ano.

A suspeita sofre de depressão, ansiedade e crise do pânico desde a adolescência. Ela é filha do romeno Jean Boghici, colecionador de arte que chegou ao Brasil em 1948 e morreu em 2015, aos 87 anos.

Como foi o golpe?

Para conseguir extorquir dinheiro da mãe, a filha contratou pessoas para se passarem por videntes e venderem trabalhos espirituais à idosa.

Segundo a Polícia Civil, a filha elaborou o plano no começo de 2020. A primeira etapa foi contratar uma mulher que deveria abordar a vítima na rua para lhe dizer que a morte de sua filha estava próxima.

Ela teria alegado ser vidente para levar a idosa para outras duas pessoas, que se passariam por uma cartomante e uma mãe de santo. As comparsas, então, iriam sugerir o pagamento de um trabalho para salvar a filha. Em um intervalo de 15 dias, a idosa transferiu R$ 5 milhões aos golpistas.

Outros crimes

Com o tempo, a filha começou a isolar a idosa dentro da própria casa. Ela chegou a dispensar funcionários.

Pouco depois, a mãe começou a perceber a relação que a filha tinha com os supostos videntes, e parou de fazer as transferências. Foi quando a mulher passou a ameaçar a idosa, que percebeu que se tratava de um plano.

A vítima foi colocada em cárcere privado de janeiro de 2021 a abril de 2022, sem contato com parentes e amigos nem por telefone.

A denúncia

Após este período, a idosa conseguiu pegar uma chave reserva e esperou Sabine Boghici sair de casa para fugir. A vítima foi até a casa de uma amiga, contou o que estava vivendo e pediu ajuda para ligar para uma clínica psiquiátrica e pedir a internação da filha.

Ao saber da internação, Sabine fugiu e desde a ocasião não foi mais vista pela viúva. A idosa trocou as fechaduras da casa e proibiu que os porteiros deixassem a filha entrar no prédio.

De acordo com o delegado Gilberto da Cruz Ribeiro, quase um ano depois, em janeiro de 2022, a própria idosa procurou a delegacia, acompanhada por um advogado. Segundo o titular da Deapti, a vítima estava “muito assustada com tudo que aconteceu” e, depois de muito hesitar, decidiu denunciar a filha.

Os presos

Além de Sabine, a polícia prendeu Rosa Stanesco Nicolau, que se passava por "Mãe Valéria de Oxossi" e dizia ter poderes místicos, o filho dela, Nicolau Traslaviña Hafliger, e uma outra mulher, identificada como Jacqueline Stanescos.

Os Foragidos

Além dos detidos, a Justiça expediu mandado de prisão de duas pessoas envolvidas no esquema: Diana Rosa Aparecida Stanesco Vuletic e Slavko Vuletic. Ambos, porém, conseguiram escapar e seguem foragidos.

Os crimes

De acordo com a polícia, os suspeitos cometeram os crimes de estelionato, roubo, extorsão, cárcere privado e associação criminosa.

Valores dos itens roubados

De acordo com a polícia, a vítima afirma que o prejuízo foi em torno de R$ 725 milhões. Foram roubados 16 quadros, avaliados em um total de R$ 709 milhões, além de joias, no valor de R$ 6 milhões. Além dos R$ 5 milhões pagos pelos falsos trabalhos espirituais, ela ainda transferiu mais R$ 4 milhões sob ameaça.

Três quadros foram recuperados, mas o restante foi vendido para o Museu de Arte Latino-Americano (Malba), em Buenos Aires. Veja o valor das obras roubadas:

  1. O Sono, de Tarsila do Amaral: R$ 300 milhões;

  2. Sol Poente, de Tarsila do Amaral: R$ 250 milhões;

  3. Pont Neuf, de Tarsila do Amaral: R$ 150 milhões;

  4. O Menino, de Alberto Guignard: R$ 2 milhões;

  5. Elevador Social, de Rubens Gerchman: R$ 1,5 milhão

  6. Mascaradas, de Di Cavalcanti: R$ 1,5 milhão;

  7. Maquete Para Meu Espelho, de Antônio Dias: R$ 1,5 milhão;

  8. Aquarela sem título, de Cícero Dias: R$ 1 milhão;

  9. Coruja ao Luar, de Kao Chi-Feng: R$ 1 milhão;

  10. Ela, aquarela, de Cícero Dias: R$ 1 milhão;

  11. Porto de Pesca rem Hong-Kong, de Kao Chien-Fu: R$ 1 milhão;

  12. Mulher na Igreja, de llya Glazunov: R$ 500 mil;

  13. Desenho representando uma paisagem, 1935, de Alberto Guignard: R$ 150 mil;

  14. Église Saint Paul, de Emeric Marcier: R$ 150 mil;

  15. Retrato, de Michel Macreau: R$ 150 mil;

  16. Rue des Rosiers, de Emeric Marcier: R$ 150 mil.