Falso: livro citado por Bolsonaro no JN não é o que aparece com carimbo de escola de Maceió

Reprodução/TV Globo

Uma foto de um livro sobre educação sexual com um carimbo da Escola Municipal Major Bonifácio Silveira, que dá aulas de ensino fundamental, viralizou nas redes nos últimos dias. Uma das principais razões foi porque o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), postou a foto, que somou mais de 11 mil compartilhamentos no Facebook e no Twitter.

Nela, Eduardo faz referência a uma recente entrevista do presidenciável ao Jornal Nacional. Durante a sabatina, Bolsonaro afirmou que o livro “Aparelho Sexual e Cia – Um guia inusitado para crianças descoladas”, de Hélène Bruller, fazia parte do programa “Escolha Sem Homofobia”, que ficou conhecido como “kit gay”. A informação foi desmentida pelo Ministério da Educação.

Em seu post, Eduardo endossou críticas ao programa. “Livro que Bolsonaro tentou mostrar no Jornal Nacional com carimbo de escola pública. Ué, mas não era mentira do Bolsonaro”, escreveu o deputado.


A foto compartilhada por Eduardo Bolsonaro, no entanto, não mostra o livro citado por Bolsonaro no Jornal Nacional e, sim, “Sexo não é bicho-papão”, de Marcos Ribeiro.

Em nota em sua página no Facebook, a Escola Municipal Major Bonifácio Silveira afirmou que o livro estava de fato no acervo da sala de leitura da escola, mas não foi utilizado pela equipe docente.

“Consideramos o conteúdo inadequado para os nossos alunos, e este material foi retirado do acervo da sala de leitura da escola. Não sabemos como a cartilha desapareceu da escola, estamos averiguando a situação”.

“Consideramos o conteúdo inadequado para os nossos alunos, e este material foi retirado do acervo da sala de leitura da escola. Não sabemos como a cartilha desapareceu da escola, estamos averiguando a situação.

“Somos uma instituição pública, todo o material que é recebido (livros, paradidáticos, revistas) são carimbados na capa ou na contracapa”, diz o texto.

A Secretaria Municipal de Educação de Maceió também ressaltou, por meio de nota, que nenhum dos dois livros apontados na publicação de Eduardo Bolsonaro faz parte do acervo didático ou paradidático da rede municipal de ensino.

O Ministério da Educação (MEC) nega que o livro tenha sido distribuído como parte de kits de materiais educativos enviados às escolas.