Falso médico é preso no Rio após ser descoberto por erros de grafia

·2 minuto de leitura
Médico foi identificado por erros de grafia - Foto: Reprodução/TV Globo
Médico foi identificado por erros de grafia - Foto: Reprodução/TV Globo
  • Rapaz utilizou CRM falso para trabalhar em plantão na UPA do Engenho Novo

  • Polícia descobriu a fraude pela grafia errada do rapaz em receitas prescritas

  • Além disso, ele exibiu comportamento estranho e mostrou não conhecer o sistema da UPA 

A polícia do Rio de Janeiro prendeu nesta terça-feira mais um falso médico. O rapaz atuava na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Engenho Novo, na Zona Norte da cidade, e foi descoberto, entre outros motivos, por erros ortográficos nas receitas que prescrevia.

De acordo com informações do G1, o homem identificado como Aleksandro Gueivara chegou a escrever com a grafia errada a palavra “potássio” em uma receita: “potaciu”.

Leia também

No último sábado, durante um plantão, colegas do falso médico na UPA também notaram comportamentos suspeitos no rapaz.

“Uma farmacêutica achou estranho porque ele não sabia usar o sistema, estava prescrevendo manualmente os medicamentos. E na escrita dele, tinha muito erro de português, erros bizarros e uma caligrafia péssima”, declarou uma funcionária, que preferiu não se identificar.

Aleksandro pasou-se por médico e trabalhou em um plantão na UPA (Buda Mendes/Getty Images)
Aleksandro pasou-se por médico e trabalhou em um plantão na UPA (Buda Mendes/Getty Images)

Aleksandro deu plantão de 24 horas no sábado na unidade, contratado pela Organização Social Viva Rio. No domingo, diante das reclamações, a direção da UPA decidiu investigar o caso e descobriu que o rapaz utilizava um CRM falso.

Ao longo do sábado, diversos pacientes atendidos por Aleksandro alegaram que não conseguiram comprar os remédios receitados pelo falso médico. Isso porque seu registro não era identificado nas farmácias.

Caso pode ter novos desdobramentos

De acordo com o Conselho Federal de Medicina, o caso de Aleksandro pode não ser o único, uma vez que outras duas médicas foram localizadas utilizando o mesmo CRM do rapaz, uma em São Paulo e outra em Minas Gerais.

“Verificando no nosso site o número não consta nos registros dessa autarquia, portanto a pessoa não está autorizada a exercer a medicina”, diz o presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj), Walter Palis.

Funcionários afirmaram que a Viva Rio está contratando funcionários às pressas para os plantões, e que Aleksandro teria se beneficiado disso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos