Falta de componentes dificulta entrega de aviões pela Embraer

A falta de componentes na cadeia de suprimento do setor de aviação vai comprometer fluxo de entrega de aeronaves comerciais pela Embraer em 2022. A informação foi confirmada pelo CEO da empresa, Francisco Gomes Neto, à Bloomberg.

Petrobras: preço do Querosene de Aviação sobe 3,6% em julho e acumula alta superior a 60% no ano

Negócios: Avianca e Gol se unem e se tornam maior grupo de aviação na América Latina, à frente da Latam

Novidade: Eve, da Embraer, revela como será cabine de seu 'carro voador'. Veja as imagens

— Estamos sofrendo com as restrições na cadeia de suprimentos. Nós tivemos um primeiro semestre difícil — afirmou Gomes Neto à Bloomberg, antes do Airshow internacional de Farnborough, que começa nesta segunda-feira. — Estamos fazendo tudo ao nosso alcance para mitigar os problemas.

A Embraer não é a única empresa do setor a enfrentar dificuldades para conseguir as partes necessárias para construir uma aeronave. A gigante Airbus afirmou em junho que, até o final de maio, a companhia tinha apenas 20 planadores, ou naves montadas totalmente sem motores, que não puderam ser exportadas. As principais lacunas enfrentadas no momento são escassez de motores e o painel eletrônico de aeronaves.

Mais conhecida por construir aviões pequenos e de uso regional usados em trajetos curtos, a Embraer segue mantendo a orientação de entregar entre 60 e 70 naves da família E-Jet neste ano. Se atender a projeção, o resultado será melhor que as 50 aeronaves que foram exportadas em 2020 e 2021.

No ar: 'Carros voadores' prometem tomar os céus a partir de 2025, mas ainda não há regras para essa nova forma de viajar

A escassez de componentes, junto com a carência de mão de obra nos Estados Unidos, está prejudicando mais a Embraer nos últimos meses, segundo Gomes Neto. Ele destaca, no entanto, que ainda há "muitas" entregas para completar até o final deste ano.

O terceiro trimestre deve evidenciar à fabricante de aviões se vai conseguir chegar perto de atender às metas estratégicas para 2022, apesar do CEO da empresa acreditar que não será possível atender os objetivos definidos anteriormente.

A empresa já destacou mais de 20 funcionários para trabalhar com fornecedores e sub-fornecedores para atender os pontos mais críticos da cadeia de suprimentos e garantir que a Embraer consiga comprar as partes que precisa para montar aeronaves, aponta Gomes Neto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos