Falta de comida, torcida 'terceirizada': o que a TV não mostrou na abertura da Copa

AL KHOR, CATAR - 20 de novembro: mascote La'eeb sobrevoa a cerimônia de abertura da Copa do Mundo 2022, no Catar (Foto: Simon Stacpoole/Offside/Offside via Getty Images)
AL KHOR, CATAR - 20 de novembro: mascote La'eeb sobrevoa a cerimônia de abertura da Copa do Mundo 2022, no Catar (Foto: Simon Stacpoole/Offside/Offside via Getty Images)

A cerimônia de abertura da Copa do Catar encantou os espectadores que acompanhavam na televisão, mas alguns pontos que a TV não mostrou deixaram quem estava presente incomodado. O Yahoo acompanhou a cerimônia de abertura e o jogo entre Catar e Equador no estádio Al Bayt, neste domingo (20), e fez um balanço dos pontos positivos e negativos.

Houve falta de comida nas lanchonetes e arquibancadas esvaziadas bem antes do apito final, mas também uma interessante mistura de culturas, incluindo uma torcida local “terceirizada” formada por diversas nacionalidades.

Leia também:

Mistura de culturas e torcida “terceirizada

Horas antes de a bola rolar, do lado de fora do estádio, já notava-se a presença também de vários outros asiáticos, sul-americanos (incluindo muitos brasileiros), além de africanos e alguns europeus. Uma festa multicultural, cada grupo celebrando de acordo com os seus costumes. Mais extrovertidos, os torcedores do Equador faziam mais barulho. Enquanto isso, os fãs do Catar pareciam mais contidos e curiosos com aquela situação incomum.

“Para nós, como muçulmanos, é um momento especial receber um evento tão grande como a Copa do Mundo pela primeira vez. Eu tenho certeza que isso vai ser positivo não só para o nosso país, mas para toda a região, todo o povo árabe e os países islâmicos”, afirmou o catari Fahad Al-Rawi, que mora em Doha.

Torcida "terceirizada" do Catar

Dentro do estádio, houve apoio para as duas equipes. Atrás de um dos gols, uma torcida organizada do Catar formada por cerca de 300 pessoas vestindo camisetas vinho, todos homens, chamou a atenção por cantar durante a partida inteira. Apesar da presença de alguns cataris neste setor, a maioria era de moradores do país que vêm de lugares como Líbano, Jordânia, Egito, Bangladesh e Índia, que formam a classe operária — vale ressaltar que 85% da população do país é de estrangeiros.

Em outros setores do Al Bayt, com comportamento mais quieto, a maior parte da elite catari vestia a tradicional thobe, uma túnica branca que cobre todo o corpo. Havia também mulheres vestindo abaya preta e com o rosto coberto. Durante o segundo tempo, faltando ainda uns 30 minutos para o fim, muita gente começou a ir embora, deixando pelo menos metade do estádio com assentos vazios.

Equatorianos reclamaram da falta de cerveja

Atrás do outro gol estava concentrada a torcida do Equador, empolgada com a estreia na Copa e ainda mais vibrante a vitória por 2 a 0. Eles ficaram no estádio até o fim, comemoraram o resultado e protestaram contra a falta de cerveja na Copa: “Queremos cerveza, queremos cerveza”. A dois dias do início do Mundial, a Fifa anunciou a proibição de venda de bebidas alcoólicas nos estádios, seguindo determinação do Governo do Qatar.

“Queríamos cerveja no estádio, não é bom esse veto de última hora. Mas podemos beber em outros lugares, na Fan Fest e em bares de hotéis. O que importa é que o Equador faz a festa, com ou sem cerveja”, disse o torcedor equatoriano Alex Gutierrez.

Faltou comida no estádio

A logística do primeiro jogo da Copa de 2022 teve como grande ponto negativo a falta de comidas nas lanchonetes já durante o segundo tempo. Todas as opções de alimentação se esgotaram no intervalo. Antes, havia hambúrguer, cachorro-quente e especialidades árabes, como shawarma e fatayer. Já os copos personalizados do jogo, normalmente um suvenir disputado, sobravam aos montes. A cerveja sem álcool e o refrigerante não conseguiram atrair o torcedor.

Copos com as informações do jogo, uma lembrança disputada na Copa, sobraram por conta da proibição de cerveja nos estádios (Foto: Tiago Leme)
Copos com as informações do jogo, uma lembrança disputada na Copa, sobraram por conta da proibição de cerveja nos estádios (Foto: Tiago Leme)

Ar condicionado do estádio é potente

Quem foi ao jogo aprovou a estrutura, o luxo e a grandiosidade do Al Bayt, que tem capacidade para 60 mil pessoas e o formato de uma típica tenda árabe. O ar condicionado para aliviar o forte calor do Oriente Médio funciona muito bem: durante a noite, o termômetro no local marcava 25 graus Celsius, mas com o potente sistema de resfriamento ligado, muita gente passou até frio sem estar com roupas cumpridas.

Trânsito no estádio Al Bayt

Localizado na pequena cidade de Al Khor, a uma distância de 50km a norte de Doha, o estádio Al Bayt foi construído praticamente no meio de um deserto. O acesso se dá por grandes vias de acesso foram construídas, com estradas largas e bem sinalizadas.

Trânsito nos horários de saída do jogo de abertura da Copa do Catar (Foto: Tiago Leme)
Trânsito nos horários de saída do jogo de abertura da Copa do Catar (Foto: Tiago Leme)

Como a população local utiliza muito o carro, houve trânsito em determinados horários na chegada e na saída, mas o problema se dissipou rapidamente. A organização também disponibilizou ônibus ligando o estádio ao centro de Doha e também ao metrô mais próximo, em Lusail.

O público conseguiu chegar e sair com certa tranquilidade, proveitando as faixas especiais para veículos credenciados. Também havia boa oferta de táxis e motoristas de aplicativos.