Falta de equilíbrio em posição no yoga leva mulher a descobrir tumor no cérebro; entenda

Praticar yoga faz bem à saúde física e mental, mas para a canadense Daphnee Paquin-Katma, de 38 anos, os benefícios foram muito além. A professora da atividade começou a estranhar quando uma posição que era comum no seu dia a dia – a de permanecer de pé numa perna só – passou a ser cada vez mais difícil. O quadro foi suficiente para levá-la a procurar ajuda médica, e os exames indicaram um tumor benigno chamado de neuroma acústico, que se desenvolve no nervo vestibulococlear, que liga o ouvido ao cérebro.

Você fala sozinho? Entenda por que hábito faz bem para a saúde mental

Problemas de memória: Conheça 7 dicas de um neurocientista para turbinar o cérebro

— Se eu não estivesse praticando yoga, não teria percebido que algo estava errado. Eu praticava muito ioga antes do meu diagnóstico e notei que meu equilíbrio estava diminuindo. Eu não conseguia me equilibrar em uma perna, o que me fez questionar minha saúde — contou Daphnee ao jornal britânico DailyMail.

Embora benigno, o tumor, de 3,8 cm, poderia ser fatal caso Daphnee não procurasse o tratamento. Isso porque o tumor cresce e passa a pressionar o cérebro, além de poder comprometer a audição.

Para largar o cigarro: Especialistas dão três dicas para ajudar a parar de fumar

O neuroma acústico é mais comum entre as idades de 40 e 60 anos. Os sintomas iniciais são zumbidos no ouvido, vertigens e perturbações do equilíbrio. É considerado um quadro raro, e o tratamento envolve radioterapia ou remoção cirúrgica em casos mais avançados.

No caso de Daphnee, os médicos indicaram o tratamento cirúrgico, que durou cerca de 12 horas. A operação foi bem sucedida, e a professora voltou a dar aula. Embora no início ainda esteja com alguma dificuldade em se equilibrar, ela contou ao jornal que aos poucos está recuperando as habilidades.

Recolhimento do losartana: Anvisa revoga recall de medicamento contra hipertensão após novas evidências

Teste de equilíbrio em casa pode ajudar

O desequilíbrio já foi associado a um sinal de alerta para a saúde em diversos estudos. Recentemente, cientistas brasileiros descobriram que não conseguir se equilibrar numa perna só por dez segundos é um indicador de risco de morte maior do que ser cardíaco, obeso, hipertenso ou ter níveis elevados de gordura no sangue, sem distinção de idade e gênero.

O trabalho foi publicado na revista científica British Journal of Sports Medicine (BJSM), um dos periódicos científicos de maior impacto no mundo. De acordo com o estudo, para descobrir se esse desequilíbrio é o seu caso, basta tentar se equilibrar durante dez segundos na posição abaixo:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos