Falta de unidade em decretos do Estado e da prefeitura sobre restrições em feriadão deixa cariocas confusos

Extra
·2 minuto de leitura

O feriadão criado com o objetivo de frear os números dos casos de Covid-19 no estado do Rio de Janeiro começa nesta sexta-feira, mas até agora os cariocas não sabem exatamente o que vai funcionar e o que está proibido. A falta de unidade entre os decretos com medidas de restrições divulgadas pelo governo do Estado do Rio e pela prefeitura têm deixado os moradores confusos sobre quais regras eles devem seguir.

De acordo com o texto publicado pelo governador em exercício, Cláudio Castro, na quarta-feira, o acesso às praias de todo o estado está proibido no período entre 26/03 e 29/03 a 01/04, inclusive para banho de mar. Já o texto publicado pela prefeitura do Rio, Eduardo Paes, que entra em vigor 0h desta sexta, permite o acesso, desde que seja para exercícios individuais. Na prática, de acordo com o decreto de Castro, vale a regra que for mais restritiva, no caso a do governo do estado.

— Eu não sou o governador só da capital e de Niterói. Eu sou governador de 92 municípios. Eu tenho a preocupação de a capital fechar tudo e todo mundo ir para o interior, todo mundo para a Região dos Lagos, Costa Verde. Então, a gente tem que regular o estado como um todo - afirmou Castro na quarta-feira, após uma reunião de governadores em Brasília.

Já Paes disse nesta quinta-feira que conversou com o chefe de gabinete de Cláudio Castro e pediu para que ele retifique o decreto que proíbe atividades físicas na orla:

— Expliquei que isso ajudava no aspecto da saúde.

Castro, no entanto, ainda não se manifestou sobre a possível mudança no texto.

TRABALHO DOS SERVIDORES

Outra dúvida é sobre o trabalho dos servidores, tanto na esfera estadual, quanto na municipal. Assim como no texto do governo, os servidores públicos deverão trabalhar em regime de home office durante o período, com previsão de compensação. No caso de serviços essenciais, como saúde, o atendimento será mantido. Em nenhum texto, no entanto, fica claro quais serão os serviços que vão funcionar e quais vão fechar. No caso do Tribunal de Justiça, por exemplo, os prazos processuais serão paralisados, e os servidores vão trabalhar em regime de plantão.

Confira como ficam as regras de acordo com cada decreto:

SERVIDORES PÚBLICOS:

SERVIDORES FEDERAIS:

ACESSO ÀS PRAIAS

BARES E RESTAURANTES

BANCOS

ATIVIDADES CULTURAIS

ATIVIDADES FÍSICAS