Família é denunciada pelo MPRJ por extorquir comerciantes que vendem 'pirataria' na Feirinha de Itaipava

O Globo
·2 minuto de leitura
Divulgação

RIO — Cinco pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) pelo crime de organização criminosa na Feirinha de Itaipava, na Região Serrana. Chama atenção que três entre os investigados são da mesma família. De acordo MPRJ, o grupo praticava extorsão desde abril de 2018. Embora os envolvidos utilizassem principalmente dinheiro em espécie, foi identificada grande movimentação financeira nas contas bancárias — na ordem de R$ 5 milhões.

A operação do quinteto consistia em cobrar "taxas" dos proprietários e locatários dos boxes que comercializam produtos "piratas" — informou o MPRJ em um comunicado divulgado nesta quarta-feira — dia 13, visando a evitar repressão da atividade ilícita pelos órgãos estatais de segurança.

A denúncia, feita pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO/MPRJ) em 16 de dezembro de 2020, aponta que o grupo pegava informações antecipadas sobre operações contra pirataria que seriam realizadas no local.

Diante disso, também foram identificados crimes contra a propriedade industrial, que acarretam prejuízos aos comerciantes da Feirinha de Itaipava, bem como às pessoas jurídicas ligadas às inúmeras marcas de roupas por eles falsificados.

Os cinco indivíduos denunciados pelo MPRJ são:

Dilson Cardoso de Oliveira: apontado como líder da organizaçãoAna Paula de Souza: mulher de Dilson e responsável pela movimentação bancária dos valoresClaudia Cardoso Machado: irmã de Dilson, cunhada de Ana Paula, e que emprestou seu CPF para abertura de conta que serve para recebimento dos ganhos indevidos da organizaçãoEduardo Christo: amigo e vizinho de Dilson, produtor e fornecedor de "pirataria".Clea Regina de Araujo Teixeira Magalhães: proprietária de boxes no local e encarregada da arrecadação dos valores.

As investigações foram realizadas pela 105ª DP e a denúncia foi recebida pela 2ª Vara Criminal de Petrópolis, que também deferiu os mandados de prisão e expediu os mandados de busca e apreensão.