Família de Agnaldo Timóteo marca missa de 7º dia e conta que tratamento contra a Covid-19 foi cortesia: cantor não tinha plano

Naiara Andrade
·2 minuto de leitura

A família de Agnaldo Timóteo organizou a missa de 7º dia do cantor para esta sexta-feira (9), às 15h, na Igreja Divina Misericórdia, localizada em Vila Valqueire, na Zona Norte do Rio. No templo, também costumavam acontecer as celebrações religiosas de seus aniversários. Uma das maiores vozes da música popular brasileira, Agnaldo morreu no último sábado (3), aos 84 anos, depois de ficar 17 dias internado lutando contra a Covid-19, no Hospital São Bernardo, na Barra da Tijuca. Sobre a informação que circula na internet nesta quinta-feira (8), a família diz desconhecer que Agnaldo tenha deixado uma herança de R$ 15 milhões.

Leia mais:

Segundo os parentes, o artista teve os custos de sua internação e todo o seu tratamento arcados pela Rede Hospital Casa, a que o hospital pertence.

“Agradeceremos eternamente a toda a equipe do Hospital Rede Casa São Bernardo. Não tivemos vergonha de assumir que Agnaldo Timóteo não tinha plano de saúde devido a sua situação financeira. Não tivemos vergonha de pedir! E, graças a Deus, o hospital prontamente abriu as portas com o que há de melhor e o assistiu gratuitamente”, diz o comunicado da família, enviado ao EXTRA.

Um representante do hospital confirmou a informação sobre a cortesia, acrescentando que a parceria com o cantor começou quando o próprio Agnaldo solicitou apoio para a realização de sua última live, “Superação e fé”, aos pés do Cristo Redentor, em 20 de janeiro, Dia de São Sebastião, o santo padroeiro do Rio de Janeiro e protetor contra as pandemias.

Na última segunda-feira, o programa “Cidade alerta”, da RecordTV, veiculou uma reportagem afirmando que Agnaldo Timóteo teria deixado R$ 15 milhões em testamento, feito 25 dias antes de sua morte. O valor seria destinado a Keyty Evelyn, de 14 anos, a quem considerava filha, e outros parentes. Questionada pelo EXTRA, a família, por meio de seu representante, diz desconhecer tal herança, até então. E, ainda em luto pela perda do ente querido, volta suas atenções para a realização da missa de 7º dia. Só depois começará a discutir a abertura do inventário.

Um amigo próximo ao ídolo da música afirma que, em situação financeira crítica, Agnaldo colecionava dívidas em seus últimos dias de vida. Por isso, estranha a informação de que o cantor teria acumulado patrimônio tão alto. Segundo o mesmo amigo, a casa em que o cantor passava os fins de semana, na Barra, está bem danificada e encontra-se à venda há alguns anos. E seu apartamento em São Paulo, de 70 metros quadrados, fica localizado na Rua Augusta, região central da cidade. E não em bairro luxuoso, como vem sendo especulado.