Família de George Floyd fecha acordo para receber US$ 27 milhões de indenização

·2 minuto de leitura
Delegacia incendiada que se tornou um memorial a Floyd em Minnesota

A família de George Floyd, cidadão negro morto por um policial no último 25 de maio, fechou um acordo civil com Minneapolis para receber uma indenização de US$ 27 milhões, informaram nesta sexta-feira a cidade americana e os representantes da vítima.

"Este é o maior acordo extrajudicial por um caso de morte injusta de um homem negro e envia uma mensagem poderosa de que a vida dos negros importa e de que a brutalidade policial contra pessoas de cor deve acabar", declararam os advogados da família em um comunicado sobre o acordo, que não encerra o processo penal contra o agente Derek Chauvin e três colegas pela morte de Floyd.

Chauvin imobilizou Floyd pressionando seu joelho contra o pescoço da vítima por nove minutos e a asfixiou, um incidente gravado em vídeo que comoveu os Estados Unidos e gerou uma onda de protestos contra o racismo e a violência policial. As manifestações foram replicadas em outras partes do mundo.

"A morte horrenda de George Floyd, da qual foram testemunhas milhares de pessoas em todo o mundo, gerou um desejo profundo de justiça e mudança", assinalou Ben Crump, principal advogado da família Floyd.

O acordo faz parte de um processo civil movido pela família em junho de 2020 contra a cidade e os quatro agentes envolvidos. No processo penal, que começou esta semana, Chauvin, que foi expulso da polícia, enfrenta três acusações: assassinato em terceiro grau, assassinato em segundo grau e homicídio culposo.

Um dos irmãos de Floyd, Rodney, declarou que o acordo "é um passo necessário" para que a família inicie um processo de encerramento. "O legado de George para aqueles que o amaram sempre será seu espírito de otimismo de que as coisas podem melhorar, e esperamos que esse acordo consiga isso."

- Condolências -

A presidente do conselho da cidade, Lisa Bender, ofereceu condolências à família de Floyd após a decisão. "Nenhuma soma em dinheiro pode compensar a dor intensa ou o trauma causados à família pela morte de George Floyd", declarou, citada pelo jornal "The Washington Post".

Após a morte de Floyd, o Departamento de Polícia de Minneapolis introduziu o uso de câmeras nos uniformes dos agentes e mudou os protocolos para reduzir o contato com cidadãos que não representem uma ameaça, entre outras medidas.

Antonio Romanucci, que faz parte da equipe legal da família Floyd, indicou que ela se sente acolhida pelas reformas policiais e as mudanças ambiciosas que os líderes da cidade ainda esperam fazer. "Após se ver identificada com George Floyd por motivos trágicos, Minneapolis será lembrada por suas mudanças progressistas, que podem guiar o país em como reformular e transformar a relação entre a polícia e as comunidades de cor."

Nesta semana, teve início o processo de seleção do júri que irá participar do julgamento de Chauvin. Sete jurados já foram selecionados e mais pessoas serão escolhidas nos próximos dias. Espera-se a abertura dos argumentos das partes no próximo dia 29.

an/rs/bn/lb