Família de Marielle lança campanha e pede ao STJ que adie julgamento de federalização do caso

MÔNICA BERGAMO
***FOTO D ARQUIVO*** SÃO PAULO - SP - 20.03.2018 - Escadaria da Rua Cristiano Viana, em Pinheiros, Zona Oeste de São Paulo, amanheceu com um lambe-lambe em homenagem a vereadora Marielle Franco (PSOL). (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Instituto Marielle Franco e a Coalizão Negra por Direitos, formada por 150 coletivos e organizações do movimento negro, entraram com um pedido de suspensão do julgamento do STJ (Superior Tribunal de Justiça) sobre a federalização das investigações da morte da ex-vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, ocorrida em março de 2018.

O STJ vai julgar o pedido no dia 27 deste mês. A família de Marielle, representada pela Defensoria Pública do Rio de Janeiro, é contra.

No documento, as entidades pedem que o processo "não seja julgado enquanto tramita as investigações no Supremo Tribunal Federal sobre as interferências do presidente Jair Bolsonaro e seus filhos à Polícia Federal".

Ao mesmo tempo, o instituto e a coalizão estão lançando uma campanha para barrar a eventual federalização das investigações. Eles lançam nesta terça (19) o site federalizacaonao.org​ para coletar assinaturas.​

Desde o dia do crime, em março de 2018, a ex-PGR Raquel Dodge já demonstrava interesse em federalizar as investigações, mas voltou atrás diante da pressão do Ministério Público estadual e do contexto de intervenção federal no Rio de Janeiro.

Oito meses depois, em novembro de 2018, ela pediu à Polícia Federal que abrisse uma “investigação da investigação”, para apurar denúncias de que um grupo teria dado depoimentos falsos para impedir a elucidação do caso.

Em setembro de 2019, chegou à conclusão de que isso realmente aconteceu. No dia em que deixou o cargo, ela denunciou cinco pessoas por obstrução de Justiça, além de ter pedido a federalização do inquérito que busca os mandantes do assassinato, suscitando mais troca de farpas com o Ministério Público estadual.