Família de meninos desaparecidos há 42 dias na Baixada se reúne novamente com representantes do estado do governo federal

Marcos Nunes
·2 minuto de leitura

Sem notícias dos filhos Fernando Henrique, de 11 anos, Alexandre Silva, de 10, e Lucas Matheus, de 8, mães e demais parentes das três crianças, que sumiram no último dia 27 de dezembro, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, estiveram nesta segunda-feira na Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social e de Direitos Humanos, no Centro do Rio. O grupo se reuniu com o secretário Bruno Dauaire e com representantes do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Eles ouviram propostas de ajuda, mantidas em sigilo pelas autoridades, e promessas de que o caso continuará sendo investigado pela Polícia Civil.

Para Silvia Regina, de 58 anos, avó de dois dos três meninos, o fato de o desaparecimento ter completado 42 dias, nesta segunda-feira, não diminui suas esperanças de que os netos podem estar vivos em algum lugar.

— Tenho muita esperança. Vou encontrar meus netos vivos sim. É triste não ter informação. Fico imaginando se estão comendo ou se estão com frio. Ou se alguém está batendo neles. Tudo isso passa por minha cabeça — disse.

Um dos representantes enviados pelo Ministério da Mulher e da Família, Eduardo Miranda, secretário-adjunto de Proteção Global, reforçou que as famílias precisam de uma resposta.

— Falamos com as mães das crianças desaparecidas. A gente percebe a dificuldade, o sofrimento e as esperanças que não cessam. Mas a gente precisa de respostas e de ações efetivas — afirmou.

Logo após o encontro com as mães, representantes do ministério se reuniram com o secretário de Polícia Civil, delegado Allan Turnowski. A imprensa não teve acesso à reunião.

Os três meninos foram vistos pela última vez quando saíam de uma quadra de esportes, no Morro do Castelar, em Belford Roxo, supostamente para ir a uma feira. A polícia tem como principal linha de investigação a hipótese de que traficantes locais estejam envolvidos no desaparecimento das crianças.