Famílias pedem que Blinken use viagem à China para libertar norte-americanos detidos

Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken

Por Humeyra Pamuk e Michael Martina

WASHINGTON (Reuters) - Katherine Swidan, cujo filho Mark está preso na China há mais de 10 anos, não viu sequer uma fotografia dele na última década. A última vez que ela ouviu a voz dele foi em 2018.

Ela e as famílias de outros norte-americanos, que de acordo com o governo dos Estados Unidos estão presos injustamente na China, esperam que o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, possa pressionar as autoridades chinesas pela libertação de seus entes queridos quando visitar Pequim no próximo mês.

"Minha mensagem para Blinken é: diga seus nomes", disse Katherine Swidan em uma entrevista por telefone de sua casa em Luling, no Texas. "Eles são cidadãos norte-americanos. Eles foram detidos injustamente. Basta."

Mark Swidan, um empresário do Texas, foi condenado por um tribunal chinês por acusações relacionadas a drogas, apesar da falta de provas, e em 2019 recebeu uma sentença de morte com indulto. Um grupo de trabalho da ONU concluiu que ele foi detido arbitrariamente em violação do direito internacional.

As recentes trocas de prisioneiros de alto perfil do governo Biden, como a libertação da estrela do basquete Brittney Griner de prisão na Rússia em troca de um traficante de armas russo condenado, estimularam apelos para Washington fazer mais pelos cidadãos norte-americanos detidos na China, alguns dos quais definham por mais de uma década com pouco contato consular.

Mas a questão dos detidos muitas vezes se perde na complexidade mais ampla da relação EUA-China, que nos últimos anos caiu para seu ponto mais baixo em décadas.

E, ao contrário de Griner, os cidadãos norte-americanos detidos na China não são muito conhecidos do público nos EUA.

As famílias dos norte-americanos detidos dizem que a liberdade de seus parentes não deve ser associada a questões políticas desafiadoras e, em vez disso, deve ser abordada em uma faixa separada focada em questões humanitárias.