Fama, ambição, homofobia: ‘O Assassinato de Gianni Versace’ examina sociedade norte-americana

Caio Delcolli

Na manhã de 15 de julho de 1997, Gianni Versace fez algo de diferente em sua rotina: o designer de moda de 50 anos decidiu ele mesmo ir a um café próximo de sua mansão em Miami Beach, em vez de enviar um de seus empregados, para comprar revistas. Na volta, ele foi assassinado a tiros por Andrew Cunanan nas escadas da entrada da mansão, a Casa Casuarina. O corpo de Versace ficou caído nos degraus do portão junto ao de uma pomba branca, também atingida pelos disparos.

Para a família e o mundo fashion, trata-se da perda de alguém amado em incidente horrível; para a sociedade, é um acontecimento midiático e cultural hoje visto como icônico.

O assassinato parece ter só reforçado no imaginário popular o quê de mítico do designer, que vestia gente como Madonna e Naomi Campbell. No entanto, como mostra a reencenação do crime na segunda temporada da série American Crime Story (FX), o artista, morto e ensanguentado, parece ser tão frágil quanto o pássaro ao lado.

A cena acontece no primeiro dos nove episódios da antologia, que traz Édgar Ramírez como Versace, Penélope Cruz como sua irmã Donatella Versace, Darren Criss como Cunanan e Ricky Martin como Antonio D'Amico, namorado do estilista por 15 anos até o assassinato.

Intitulada O Assassinato de Gianni Versace, a esperada segunda temporada de ACS promete, como mostram as duas primeiras partes exibidas para a imprensa, examinar a sociedade norte-americana usando como ponto de partida um assassinato de ampla repercussão.

"Eu realmente fui pego de surpresa por como o assassinato de Versace era apenas o topo de um iceberg, que se transforma em um road movie pela América, [com] o 'Sonho Americano', ambição e homofobia", disse o roteirista Tom Rob Smith em entrevista ao site The Ringer.

Criada pela dupla Scott Alexander & Larry Karaszewski, responsável pelos roteiros de filmes como O Povo Contra Larry Flint (1996) e Ed Wood (1994), a série se baseia, desta vez, no livro Vulgar...

Continue a ler no Huffpost