Família alega que mulher presa por racismo no litoral de SP sofre de esquizofrenia

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Mulher proferiu diversas ofensas racistas a passageiro - Foto: Reprodução
Mulher proferiu diversas ofensas racistas a passageiro - Foto: Reprodução
  • Mulher foi flagrada no sábado proferindo ofensas racistas a passageiro de um ônibus em Praia Grande

  • Ela chegou a ser presa pela polícia e responderá por injúria racial

  • Irmã disse que a passageira sofre de esquizofrenia e costuma apresentar comportamento agressivo  

A família da mulher presa por insultos racistas a um passageiro de um ônibus em Praia Grande, no litoral de São Paulo, afirmou que ela sofre de esquizofrenia. O episódio ganhou bastante repercussão na última segunda-feira, após a viralização de um vídeo do ocorrido.

"Ela tem um prontuário no Caps [Centro de Atenção Psicossocial] de Praia Grande, e faz tratamento há mais de dez anos. Ela mora com os meus pais, que são idosos, e no sábado saiu sem dizer nada, achamos que estava desaparecida. Procuramos por ela no domingo, em hospitais, e como não encontramos, fomos até a delegacia registrar boletim. Foi lá que soubemos o que tinha acontecido. Ficamos surpresos e sofremos com isso", afirmou Jaciane Macedo, irmã da passageira.

Leia também

A mulher, que não teve a identidade revelada, foi flagrada chamando um rapaz de “macaco fedorento” e “preto da senzala”, entre diversas outras expressões racistas. O caso aconteceu no último sábado .

“Macaco, como eu detesto senzala. Macaco fedorento. Tu não presta, tu é preto da senzala, negreiro, crioulo. Vai catar papelão, vagabundo”, diz ela no trecho filmado.

O rapaz, alvo das ofensas, explicou que a mulher tentou descer do ônibus, mas ele e sua esposa a impediram e pediram que o motorista parasse o veículo. Como não estavam com seus celulares no momento, contaram com a ajuda de outros passageiros para chamar a polícia, que prendeu a moça em flagrante.

Caso de racismo foi mais um entre tantos já registrados no Brasil (Victor Moriyama/Getty Images)
Caso de racismo foi mais um entre tantos já registrados no Brasil (Victor Moriyama/Getty Images)

"Ela é realmente agressiva, mas toma medicamento. Ela tem vários surtos, e várias vezes chamamos o Samu para socorrê-la. Está sendo muito difícil para nós, como família, tudo isso. Realmente, ela vai responder por injúria racial, mas ela é uma pessoa doente, que não responde por ela. Então, veremos com advogados como prosseguir, e estou correndo com a documentação que comprova o problema mental dela", afirmou a irmã.

Família pede desculpas

Mesmo relatando a questão clínica, Jaciane se mostrou incomodada com o teor das ofensas, desculpou-se em nome de família e garantiu que a irmã nunca havia exibido qualquer comportamento racista anteriormente.

"Ficamos muito tristes e pedimos desculpas. O caso dela repercutiu porque ela foi muito agressiva. Com certeza, as pessoas que veem sem saber de nada ficam revoltadas. Eu não tiro a razão, porém, o caso dela vai mais além. Antes de manifestar a doença, ela nunca tinha feito comentários assim”, declarou.