Família com renda média em SP só consegue morar longe do centro

·2 min de leitura
A plataforma de pesquisa de mercado Urbit mostrou que uma família de quatro pessoas e renda mediana não consegue comprar um apartamento em uma região central de São Paulo. Com um aumento dos preços e das taxas de juros, as famílias conseguem financiar apartamentos em regiões periféricas da cidade. (Getty Images)
  • Família precisaria comprometer 100% da renda para comprar apartamento em 23 anos

  • Distância para o centro afeta possibilidade de conseguir um emprego

  • Renda média em São Paulo torna impossível comprar um apartamento

A plataforma de pesquisa de mercado Urbit mostrou que uma família de quatro pessoas e renda mediana não consegue comprar um apartamento em uma região central de São Paulo. Com um aumento dos preços e das taxas de juros, as famílias conseguem financiar apartamentos em regiões periféricas da cidade.

Leia também

O estudo da Urbit mostrou que a oferta de apartamentos com mais de 40 metros quadrados e abaixo de R$ 190 mil estão no extremo da Zona Leste, Zona Norte e na região do Capão Redondo, na Zona Sul. Na região de Itaquera é possível comprar um apartamento com mais de 40 metros quadrados e, de acordo com o estudo, o valor está por volta de R$ 170 mil.

Porém, próximo ao metrô da linha vermelha, o valor do apartamento sobe para R$ 247 mil. Morar mais perto de uma linha do metrô custa mais caro, o que acaba forçando boa parte das pessoas a ter pelo menos um carro, de acordo com o estudo.

Moradia afeta busca por trabalho e prejudica renda da família

A distância da moradia para o Centro afeta a busca por trabalho. Quem procura emprego na região central da capital tem 290 vezes mais chances de ser contratado do quem procura vagas no extremo das regiões Norte e Leste da capital, de acordo com dados do Mapa da Desigualdade da Rede Nossa São Paulo.

A pesquisa também mostrou que um casal com dois filhos e uma renda mediana precisaria ser 100% comprometida durante 23 anos para comprar um imóvel médio na capital paulista. Caso a família optasse por usar 30% da renda, ela precisaria comprometer a renda por 78 anos.

O estudo também mostra a acessibilidade à casa própria para quem mora sozinho, perfil comum nos últimos anos. Com a renda mediana da capital por volta de R$ 2390, o poder de compra é insuficiente para um apartamento de mais de R$ 120 mil. Com essa renda mensal, o tempo necessário para um solteiro comprar um apartamento é de 169 meses (14 anos), caso o salário seja 100% utilizado para o pagamento do imóvel.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos