Família acusa motorista de aplicativo de racismo ao recusar corrida: 'fez cara de nojo'

A motorista recusou a corrida ao ver os passageiros (Foto: Getty Images)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Ela teria recusado a corrida ao ver os passageiros

  • Caso aconteceu em Belo Horizonte no último final de semana

Ariane Cristina Abdon Silva, de 18 anos, estava acompanhada dos pais no último final de semana quando a família usou um aplicativo de caronas para ir até a casa do avô. A situação cotidiana virou um caso de racismo: ao ver a família, a motorista se recusou a fazer a corrida.

Em entrevista ao portal de notícias UOL, a jovem conta que Marta Couto Sobrinho, motorista do aplicativo 99, já tinha parado o carro, mas acelerou ao vê-los entrando no veículo. Ela ainda trancou as portas e cancelou a corrida.

Leia também

A família é negra, e a motorista, branca. Ariane já prestou queixa sobre o caso na polícia e no próprio aplicativo, que suspendeu a conta da motorista.

"Estávamos no portão. Ela parou o carro. Quando a gente ia entrar no carro, ela fez cara de nojo, travou as portas e disse que não nos levaria", conta a jovem.

Para a família, trata-se de injúria racial. Ariane relata que eles nuncia haviam sido vítimas de racismo tão explícito:

“A gente ficou sem entender. Nunca tinha acontecido com a gente", conta.

A Polícia Civil declarou que está investigando o caso, e que a família será ouvida nos próximos dias. O aplicativo 99 afirma que lamenta a situação e que vai colaborar tanto com a investigação quanto com as vítimas, dando todo o suporte necessário.