Familiares de opositores presos na Nicarágua denunciam maus-tratos persistentes

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
(Arquivo) Daniel Ortega, 75 anos, no poder desde 2007, busca o quarto mandato consecutivo sem rivais que coloquem em risco a sua reeleição (AFP/Cesar PEREZ)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Familiares de opositores presos na Nicarágua acusados de conspirar contra o governo de Daniel Ortega denunciaram nesta quinta-feira que persiste uma constante "deterioração física", "maus-tratos" e violação dos direitos dos detidos, após terem sido autorizados a visitá-los.

“A deterioração física continua. Na maioria dos casos, eles continuam perdendo peso e sofrem de fraqueza extrema. Estão pálidos, muitos não têm acesso ao sol, e outros, apenas uma vez por semana”, diz uma nota lida por três parentes que participaram de uma entrevista coletiva.

Entre junho e agosto, 37 opositores, incluindo sete candidatos à presidência nas eleições de 7 de novembro, foram presos sob a acusação de promover a interferência estrangeira. O governo considera os presos terroristas que se organizaram para aplicar um golpe de Estado com a ajuda dos Estados Unidos.

Os familiares puderam visitar os detidos pela segunda vez entre segunda e quarta-feira, e afirmaram que as condições de isolamento, em celas escuras, sem ventilação, não mudaram desde as denunciaram, no começo de setembro, na primeira visita.

Órgãos internacionais de defesa dos direitos humanos pediram a libertação imediata dos líderes da oposição, bem como a suspensão dos julgamentos durante os quais, segundo as famílias, eles foram privados do direito de defesa.

Segundo relatório do Mecanismo para o Reconhecimento de Presos Políticos, integrado por familiares e órgãos de defesa dos direitos humanos, há 145 pessoas detidas por motivos políticos na Nicarágua, o que o governo não reconhece.

A grave crise política na Nicarágua eclodiu com os protestos antigovernamentais de abril de 2018, cuja repressão deixou mais de 300 mortos, centenas de presos e mais de 100.000 exilados.

Daniel Ortega, 75 anos, no poder desde 2007, busca o quarto mandato consecutivo sem rivais que coloquem em risco a sua reeleição.

jr/mis/rsr/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos