Fase de Transição: Veja o que abre em SP a partir deste sábado

Anita Efraim
·3 minuto de leitura
SAO PAULO, BRAZIL - MARCH 08: View of shuttered shops in downtown during the first business day after the state of Sao Paulo declared the most restrictive
Desde o último dia 18, comércio não essencial pode voltar a abrir em todo o estado de São Paulo (Foto: Alexandre Schneider/Getty Images)
  • A partir deste sábado, setor de serviços volta a funcionar

  • Academias, restaurantes e salões de beleza voltam a funcionar

  • Fase de Transição vai até o próximo dia 30

São Paulo está na Fase de Transição do Plano SP, uma etapa intermediária entre a Fase Vermelha e a Laranja. Desde o dia 18, puderes ser retomados: 

  • Cultos, missas e outras atividades religiosas

  • Shoppings

  • Lojas de rua

No entanto, para atividades religiosas presenciais haverá restrições, segundo o governo do estado, como máximo de 25% de ocupação. Já o comércio poderá funcionar em todo estado entre 11h e 19h. O toque de recolher segue em vigor das 20h às 8h. 

Segunda semana da Fase de Transição

A partir do próximo sábado (24), as medidas ficarão ainda mais brandas e o setor de serviços volta a funcionar em todo o estado. Podem reabrir: 

  • Restaurantes e similares

  • Salões de beleza

  • Barbearias

  • Atividades culturais

  • Academias

Da mesma forma que deve acontecer na primeira semana, as atividades terão restrições, podendo operar das 11h às 19h.

As academias, porém, funcionarão em dois horários: das 7h às 11h e das 15h às 19h. Todos os espaços deverão respeitos o aforo máximo de 25% de ocupação. O teletrabalho continua sendo recomendado para as atividades administrativas não essenciais.

Leia também

Fase Laranja

A Fase de Transição fica em vigor, inicialmente, até dia 30 de abril. Em teoria, a etapa seguinte é a Laranja, mais permissiva

O governador João Doria (PSDB), considera que a pandemia de covid-19 no estado de São Paulo está “sob relativo controle”. Quando o estado voltar para a fase laranja, as flexibilizações das medidas voltarão a ser feitas por regiões. A informação foi revelada por Doria em uma entrevista à agência Reuters.

“Eu diria que [a pandemia] está sob relativo controle, porque nós conseguimos, graças às medidas do Plano São Paulo (...), uma redução no número de pessoas infectadas e, consequentemente, menor ocupação nos chamados leitos primários dos hospitais públicos e privados e uma menor ocupação também dos leitos do UTI”, explicou o governador.

Segundo o governador, a flexibilização está sendo monitorada pelo Centro de Contingência. O órgão conta, também, com a responsabilidade da população. “Esperamos que as pessoas tenham responsabilidade e tenham consciência que essa abertura depende delas”.

Ainda não se sabe quando o estado de São Paulo voltará a adotar a Fase Laranja, mas Doria explicou que, quando acontecer, a classificação do Plano São Paulo voltará a ser regional.

Melhora nos índices no estado

Pela primeira vez em dois meses, o estado de São Paulo registra uma queda no número de novos casos de covid-19, de internações e de mortes em decorrência da doença. A diminuição do número de óbitos foi de 23,6% em relação à semana anterior.

Os casos e internações por covid-19 já estavam apresentando queda. Nesta semana, os novos contágios caíram 14,3% em relação à semana anterior, enquanto as internações tiveram queda de 6%. O governo avalia que as quedas estão diretamente relacionadas com as medidas mais restritivas no estado, como as que foram adotadas na Fase Emergencial e na Fase Vermelha.

Novos casos, internações e mortes por covid-19 saíram no estado de São Paulo (Foto: Reprodução/TV Cultura)
Novos casos, internações e mortes por covid-19 saíram no estado de São Paulo (Foto: Reprodução/TV Cultura)

Atualmente, o estado tem ocupação de 81,1% dos leitos de UTI, enquanto na Grande São Paulo o índice é de 79,2%. Ao todo, 10.808 pessoas estão internada em unidades de terapia intensiva com covid-19 em são Paulo. Em camas de enfermaria, são 12.004 pessoas.

O estado de São Paulo soma 91.673 mortes por covid-19 e 2,8 milhões de casos da doença desde o início da pandemia do coronavírus.